segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

ESTRADAS EM MOÇAMBIQUE MAIS ESTRADAS PODERÃO A VIR A SER CONCESSIONADAS A PARTIR DE 2013


"A partir do próximo ano: Mais estradas concessionadas. POUCO mais de dois mil quilómetros de estradas pavimentadas passarão a ser geridas por privados, na modalidade de rodovias com portagem, em que o concessionário se responsabilizará pela gestão e manutenção, soube-se recentemente junto de fonte autorizada. Maputo, Segunda-Feira, 17 de Dezembro de 2012:: Notícias Trata-se dos troços da N1, de Maputo a Macia (149 Km), Macia-Xai-Xai-Chidenguele, compreendendo a um total de 143 quilómetros, Chidenguele/Quissico/Lindela (com 149 Km), Lindela/Massinga/Pambara (263Km), Save/Muxúnguè/Inchope (259 Km), Namacurra/Nampevo (151 Km), Nampevo/Alto Molócuè/Rio Ligonha (223 Km) e Pemba/Metoro (93 Km).Outras estradas que estão a ser consideradas para serem geridas no mesmo sistema são a N2, no troço Matola/Boane (19 Km), Vanduzi/Changara, na N7 (269 Km), Matambo/Chitima (com 111 quilómetros), Nampevo/Ile/Gúruè (com 120 Km), Sunate/Macomia, na N380 (com 119 Km, Namialo/Monapo/Nacala (114 Km), Monapo/Ilha de Moçambique (47 Km) e Lichinga/Maniamba (77 Km).Para a concretização deste objectivo, o Ministério das Obras Públicas e Habitação, através da Administração Nacional de Estradas, acaba de lançar um concurso público para apurar operadores que garantam a gestão e manutenção da rede viária com cobrança de taxas de portagem.Segundo o Ministro de tutela, Cadmiel Muthemba, para além destas rodovias, cujo concurso está a ser lançado agora, já está em implementação a concessão de 700 quilómetros de estradas asfaltadas, na província de Tete, na qual está inclusa a construção da nova ponte sobre o rio Zambeze.A adjudicação destes troços, a maior parte dos quais recém-reabilitados, enquadra-se no âmbito da política de estradas, que considera a reabilitação como uma actividade prioritária para valorizar e rentabilizar os investimentos realizados.
Na referida política prevê-se o envolvimento do sector privado no processo de gestão e manutenção de rodovias no quadro das parcerias público-privadas.     As estradas a serem concessionadas, estão sub-divididas em seis lotes e deverão ser adjudicadas a empresas ou consórcios nacionais que podem associar-se com estrangeiros. Nas regras estabelecidas nenhuma empresa deverá ter direito a mais que dois troços.Fazem parte do lote 1 os troços Maputo/Macia, Matola/Boane, Save/Inchope, Pemba/Metoro e Metoro/Montepuez.No lote 2 estão agrupados os troços Macia/Chidenguele, Vanduzi/Changara e Sunate Macomia. No Lote 3 está enquadrada Chidenguele/Lindela, Matambo/Chitima e Nampula/Namialo. Os troços Lindela/Pambara, Namacurra/Nampevo, Namialo/Nacala e Monapo/Ilha de Moçambique fazem parte do lote 4.«No 5 está o troço Nampevo/Guruè e Lichinga/Maniamba e por fim no 6 está a via Nampevo/Alto-Molócuè/Rio Ligonha com uma extensão de 223 quilómetros.  Para estes lotes as obras públicas estão a considerar contratos válidos por um período de cinco anos renováveis em função do desempenho das empresas.
Informações obtidas dão conta que as primeiras adjudicações poderão ser conhecidas ainda no primeiro semestre do próximo ano."Fonte Jornal NOTICIAS.

Sem comentários:

Publicar um comentário