sexta-feira, 23 de junho de 2017

QUIRIMBAS MOÇAMBIQUE PRIMEIRA RESERVA DO GÉNERO, PARQUE NACIONAL DAS QUIRIMBAS A RESERVA DA BIOSFERA, UNESCO LANÇA CANDIDATURA

   MOÇAMBIQUE

UNESCO lança consulta à candidatura das Quirimbas como primeira reserva

Maputo - A UNESCO lança, nesta sexta-feira, em Maputo, a consulta pública nacional ao processo de candidatura do Parque Nacional das Quirimbas  a Reserva da Biosfera, a primeira do género em Moçambique.
Situado no norte do país, com área superior a 750 mil hectares, em terra e no mar, o parque foi criado em 2002 com o apoio da Agência Francesa para o Desenvolvimento e da ONG internacional Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla inglesa) pelo seu valor ambiental e arquitetónico."
FONTE: LUSA MOÇAMBIQUE

BAD E MOÇAMBIQUE, BANCO AFRICANO DE DESENVOLVIMENTO ATRIBUI UM MILHÃO DE DÓLARES A MOÇAMBIQUE

  MOÇAMBIQUE

Banco Africano de Desenvolvimento atribui um milhão de dólares

Maputo - O conselho de administração do Banco Africano de Desenvolvimento aprovou uma subvenção de um milhão de dólares para financiar o projeto de Assistência Técnica de Ligações Empresariais do Corredor de Nacala.
A verba será atribuída ao Governo de Moçambique através do Fundo de Assistência ao Setor Privado Africano (FAPA, sigla inglesa) e o projeto vai decorrer ao longo de três anos."
FONTE: LUSA MOÇAMBIQUE.

CHISSANO, JOAQUIM ALBERTO CHISSANO, ANTIGO PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE, 23 DE JUNHO DE 1961, NOITE DE SÃO JOÃO DO PORTO, SAIA DESTA CIDADE A CAMINHO DE ESPANHA E POSTERIORMENTE FRANÇA, PORTUGAL, MOÇAMBIQUE E ESPANHA FICARAM ASSIM PROTAGONISTAS NESTE EPISÓDIO HISTÓRICO PELA MÃO AMIGA DO PRESIDENTE CHISSANO DESDE HÁ 56 ANOS!

PORTUGAL,( PORTO), MOÇAMBIQUE ESPANHA UNIDOS NA NOITE DE SAO JOAO 23 JUNHO DESDE 1961, FAZ 56 ANOS QUE CHISSANO SAIU DE PORTUGAL E A PARTIR DO PORTO NESSA NOITE PARA CRIAR A FRELIMO.  OS ACORDOS DE LUSAKA VIRIAM EM 7 DE SETEMBRO DE 1974, A INDEPENDENCIA DE MOÇAMBIQUE A 25 DE JUNHO DE 1975.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

ITÁLIA E MOÇAMBIQUE, MISSÃO EMPRESARIAL DE MOÇAMBIQUE ORGANIZADA PELA CTA CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE E DA CAMARA DE COMÉRCIO MOÇAMBIQUE - ITÁLIA, DE 10 A 13 DE JULHO, ROMA E MILÃO

"CTA e CCMI preparam Missão Empresarial à Itália Maputo (O Autarca) – A CTA – Confederação das Associações Económicas de Moçambique e a Câmara de Comércio Moçambique-Itália (CCMI) estão a organizar uma Missão Empresarial à Itália, que vai escalar as cidades de Roma e Milão, de 10 a 13 de julho próximo, com foco nos sectores de petróleo e gás, agro-indústria, energia, turismo, construção civil, finan- ças, transporte e logística. Na Cidade de Roma está previsto nos dias 10 e 11, um Fórum de Negócios Moçambique-Itália, B2B´s e roundtables temácos (excepto o sector de serviços financeiros), com objectivo de promover parcerias e oportunidades de investimentos entre os empresários dos dois países. Já nos dias 12 e 13, a delega- ção empresarial moçambicana trabalhará na cidade de Milão, onde estão previstos encontros sectoriais entre homens de negócios dos dois países e visitas a empresas locais. Em Roma, para além do Fó- rum de Negócios serão organizadas mesas-redondas temáticas com apresentações da parte moçambicana e italiana. Já em Milão, está previsto, igualmente, um business breakfast com bancos e organizações financeiras para analisar formas de facilitar contactos com o estrangeiro e mobilizar formas de financiamento para as empresas mo- çambicanas. As visitas a empresas serão organizadas de forma autônoma entre os empresários conforme os interesses de cada um. Nesta quinta-feira (22), terá lugar em Maputo, um encontro de apresentação e concertação com as empresas interessadas.■ (R/CTA)"
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE

quarta-feira, 21 de junho de 2017

GORONGOSA, PARQUE NACIONAL, PROVINCIA DE SOFALA MOÇAMBIQUE, NÃO PRECISA DE APRESENTAÇÕES, É UM VERDADEIRO EX-LIBRIS DE MOÇAMBIQUE, DO MUNDO E DA HUMANIDADE

"Gorongosa só precisa de garantia de ambiente de paz efectiva para voltar a atrair turismo como antes - Enquanto a situação não estiver estabilizada torna-se difícil que os turistas visitem o parque da forma como todos gostaríamos – Vasco Galante, Director de Comunicação do PNG Beira (O Autarca) – A Gorongosa, na província de Sofala, centro de Moçambique, continua a ser uma das principais áreas de conservação de espécies e ecossistemas em África e no mundo. Aliado ao seu poderio de oferecer benefícios múltiplos aos seus visitantes, entre os quais se destacam vantagens recreactivas, educativas e culturais – tornou-se, eternamente, a região do nosso país mais atractiva ao turismo doméstico e internacional. Se ocorrer dúvidas, não perca tempo, marque já uma visita ao parque para confirmar o ditoTrata-se de um dos mais importantes parques nacionais de Moçambique, de África e do mundo, cuja pré-história aproxima-se a história dos primeiros parques nacionais a existirem no planeta. O primeiro parque nacional é o de Yellouwstone, criado em 1873; depois na Suíça em 1914; em Espanha em 1915; e na Itália em 1930. A Gorongosa foi decretada uma área destinada a protecção da fauna em março de 1921, ocupando uma extensão de cerca de 1.000 km2, superficie mais tarde ampliada para 3.200km2. De 1921 até 1960, período em que ascendeu a categoria de parque nacional, a Gorongosa era também uma área de caça, no período 1921 a 1948 sob a jurisdição da majestática e colonial Companhia de Moçambique; e de 1948 a 1960 já sob jurisdição do governo colonial português, através da chamada comissão central de caça. É um parque com longa histó- ria de meter inveja, importando frisar que no período que aludimos recebia que o parque portou-se como uma “montra” da colónia portuguesa em Á- frica, a zona da colónia mais frequentada por turistas estrangeiros, pelo que nenhum visitante oficial vinha a Mo- çambique sem que o seu programa incluísse uma estadia no Chitengo, onde desde sempre funcionou a mais importante área de acomodação da Gorongosa. Consta que em 1935 a Gorongosa preparou-se para receber a visita do Cruzador Britânico Carlisle; tendo nas mesmas épocas os presidentes da República Portuguesa, nomeadamente os generais Carmona e Craveiro Lopes realizado caçadas oficiais nas suas á- reas. 35 mil turistas nacionais e estrangeiros visitaram o PNG nos últimos anos Depois da proclamação da Independência Nacional, em junho de 1975, o parque continuou a desempenhar normalmente a sua função, mas pouco tempo depois viu-se forçado a interromper devido ao conflito armado Gorongosa é um exclusivo parque nacional absolutamente natural encontrável em Sofala muitos e muitos turistas. O registo recorde de visitas que a Gorongosa recebeu no mesmo ano data do ano 1968, um total 12.219 turistas oriundos de várias partes do planeta; depois de ter recebido 1.361 turistas em 1952; 6.096 em 1960 e 8.203 em 1965. Informação da época revelaem que o país se mergulhou até outubro de 1992, que destruiu grande parte do seu tesouro. De 2006 para cá o parque está a beneficiar de um ambicioso projecto de restauração, numa parceria público privada que envolve o Governo de Mo- çambique, representado pelo ministério que superintende o sector de turismo, e a Fundação Car, do filantrópico norte americano Greg Car, esta última organização americana que tem investido milhões de dólares sem nenhum tipo de interesse lucruativo. O objectivo do projecto é assegurar a reposição do potencial do parque, criar condições que desistimulem a exploração irracional dos seus recursos pelo homem, promover actividades que produzam múltiplos benefí- cios aos seus visitantes e fomentar o turismo para a auto-sustentabilidade do parque. O turismo já começou a ser feito desde o início da implementação do projecto, que compreende igualmente a adequação das infra-estruturas de acomodação e incentivo a investiga- ção científica, tendo em 2006 o parque recebido 1.000 turistas e até 2015 já contabilizava um total de 35.448 turistas, na sua maioria estrangeiros (19.791) e 14.655 nacionais. Ambiente de insegurança intranquiliza turistas De 2006 até 2012 o gráfico de entrada de turistas tendia a recuperação dos fluxos registados na época da dé- cada 60 que a Gorongosa teve o registo recorde de visitantes. A partir de 2012, ano que o parque recebeu 6.500 turistas, depois de em 2010 ter recebido 5.500 turistas e 7.000 em 2011, o nú- mero de visitantes, sobretudo internacionais, diminuiu de forma dramática, Vasco Galante, Director de Comunicação do PNG, está preocupado em querer ver o país estabilizado (politicamente) para os turistas visitarem a Gorongosa como todos gostariam mo todos gostaríamos...” – lamentou Vasco Galante, responsável pela comunicação institucional do Parque Nacional da Gorongosa. Importa salientar que a elaboração do presente texto contou com consultas a dois documentos antigos que apresentam o historial do parque, um de autoria de Armando Rosinha, com o título “Alguns dados históricos sobre o Parque Nacional da Gorongosa”, com data de arquivo de outubro de 1989, e outro de Armando José Rosinha (Médico-Veterinário), intitulado “O Parque Nacional da Gorongosa”, sobre o qual não tivemos a precisão da data.■ (Chabane Falume/ Fotos Google) devido ao conflito militar no centro de Moçambique e aos avisos de perigo de viagem emitidos por várias embaixadas e sites de viagens. As autoridades do Parque Nacional da Gorongosa referem, igualmente, que o Programa de Educação Ambiental do Centro de Educação Comunitária (CEC), dirigido às comunidades da Zona Tampão, também responsável por trazer muitos visitantes ao parque, foi muito negativamente impactado por motivos de falta de segurança na Zona Tampão. “Enquanto a situação não estiver estabilizada torna-se difícil que os turistas visitem o parque da forma como todos gostaríamos...” – lamentou Vasco Galante, responsável pela comunicação institucional do Parque Nacional da Gorongosa. Importa salientar que a elaboração do presente texto contou com consultas a dois documentos antigos que apresentam o historial do parque, um de autoria de Armando Rosinha, com o título “Alguns dados históricos sobre o Parque Nacional da Gorongosa”, com data de arquivo de outubro de 1989, e outro de Armando José Rosinha (Médico-Veterinário), intitulado “O Parque Nacional da Gorongosa”, sobre o qual não tivemos a precisão da data.■ (Chabane Falume/ Fotos Google)"
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE.

terça-feira, 13 de junho de 2017

ESPAÇO PORTUGAL EM MOÇAMBIQUE, NASCE EM MAPUTO, BEM HAJA EMBAIXADOR JOSÉ AUGUSTO DUARTE, PARABENS!

Refª 279
13-06-2017
Caros Compatriotas,
A título de informação transmito a mensagem infra:

“O Espaço Portugal em Moçambique, que será inaugurado esta terça-feira, dia 13 de Junho, surge por iniciativa do Embaixador José Augusto Duarte, antigo Embaixador de Portugal em Moçambique, no quadro do Prémio “Diplomata Económico do Ano”, que lhe foi atribuído pela actividade de diplomacia económica que desenvolveu em Moçambique no decurso do ano de 2015.

O prémio tem vindo a ser atribuído anualmente pela Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa, desde 2013, e tem o valor de 25 mil euros. Este reconhecimento, com o nome de Francisco de Melo e Torres, prestigiado diplomata português do século XVII, é entregue ao chefe de missão diplomática que, ao longo de um ano, mais se destacou “no apoio à internacionalização de empresas portuguesas e na captação de investimento estrangeiro, contribuindo para o crescimento da economia portuguesa”.

É neste contexto que nasce o Espaço Portugal em Moçambique, orientado sobretudo para apoiar as empresas e missões empresariais que pretendam fazer prospeção de mercado mas também ONGDs e outras entidades portuguesas que através da sua atividade profissional, desenvolvam contactos em Moçambique, nomeadamente universidades e funcionários em missões de serviço público.

O Espaço Portugal-Moçambique funcionará de segunda a sexta-feira das 9h00-12h00 e das 14h00-16h30. As solicitações para uso do EPM devem ser efetuadas por correio eletrónico para o endereço maputo@mne.pt. Como complemento, no referido espaço terão disponíveis o acesso à internet e uma impressora.”.
Atenciosamente,
A. Chrystêllo Tavares
Cônsul-Geral

Rua António Enes, 148/149 2º andar
Beira - Moçambique
tel. 00 258 23 32 60 76 / 23322296 / 23326066
fax 00 258 23 32 46 88
FONTE: CONSUL GERAL DE PORTUGAL NA BEIRA, A. CHRYSTÊLLO TAVARES.

AÇÚCAR DE MOÇAMBIQUE, MARROMEU INICIA HOJE CAMPANHA DE PRODUÇÃO, NA PROVINCIA DE SOFALA

"Marromeu inicia hoje campanha de produção de açúcar Fábrica de açúcar de Marromeu, na província de Sofala, centro de Moçambique Beira (O Autarca) – Arranca hoje, terça-feira (13), na Companhia de Sena, em Marromeu, província de Sofala, a campanha de produção de açú- car referente ao ano 2017. Uma fonte da firma revelou ao nosso jornal que espera-se produzir na presente campanha quarenta mil toneladas de açúcar, meta que representa uma redução em duas mil toneladas relativamente a campanha anterior. A fonte indicou que a redução deve-se ao registo da fraca produção da matéria prima, nomeadamente a cana sacarina, facto originado pelas condições agro-ecológicas. Refira-se que inicialmente o arranque da campanha de produção de açúcar na fábrica da Companhia de Sena, no distrito municipal de Marromeu, havia sido previsto para o dia 4 do mês em curso, tendo sofrido adiamente devido ao cenário de inundações que se registava nos campos de plantação da cana sacarina, o que não permitia a circulação dos meios de escoamento da matéria prima para o recinto fabril. A Companhia de Sena representa uma das maiores unidades fabris de açúcar do país. Anualmente, a Companhia de Sena chega a empregar cerca de sete mil trabalhadores, entre efectivos e sazonais, representando um dos principais empreendimentos na província do ponto de vista de promoção de postos de emprego. A província de Sofala conta, neste momento, com duas fábricas de açúcar em pleno funcionamento, nomeadamente a de Marromeu e a de Mafambisse, esta última no distrito do Dondo. No passado a província de Sofala já teve três fábricas de açúcar, incluindo a do Búzi que se encontra paralizada a vários anos.■ (Redacçao)"
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE.