segunda-feira, 27 de abril de 2015

PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE FILIPE JACINTO NYUSI, DESAFIOU OS EMPRESÁRIOS DA PROVINCIA DE MAPUTO A DIVULGAREM MAIS A PRODUÇÃO NACIONAL E A ESTABELECEREM PARCERIAS COM GRANDES EMPRESAS, PARA O ROBUSTECIMENTO DA ECONOMIA DO PAIS

O PRESIDENTE da República, Filipe Jacinto Nyusi, desafiou, sexta-feira, os empresários da província de Maputo, a divulgarem mais a produção nacional e a estabelecerem parcerias com grandes empresas, para o robustecimento da economia do país.
Filipe Nyusi lançou este repto no encontro que manteve na cidade da Matola com os empresários industriais da província de Maputo, no quadro da visita de trabalho que efectuou de 21 a 24 àquele ponto do país.
Na ocasião, o Chefe do Estado referiu que o novo ciclo governativo era de dinamização dos projectos que já estavam em curso e que a sua governação está orientada para resultados. Disse que Moçambique é um país com grande potencial e, por isso, pode robustecer a sua economia e por essa via melhorar as condições de vida da sua população, factor importante para a garantia da estabilidade e paz.
O Presidente da República referiu-se aos cinco pilares do Programa Quinquenal do Governo, destacando o da competitividade, no âmbito do qual os empresários são parceiros do Executivo. Recordou que, recentemente, o Governo discutiu o novo figurino de relacionamento com o sector privado, representado pela CTA.
Afirmou que o país precisa ter uma grande musculatura económica, para resolver os problemas dos moçambicanos, e pediu especialmente aos empresários da província de Maputo a apostarem seriamente na agricultura, para a produção de comida, e explorarem ao máximo as condições e oportunidades existentes na área do turismo e prestação de serviços, com particular destaque para a promoção do transporte.
Filipe Jacinto Nyusi exortou aos empresários locais para também se lançarem na criação de gado em grande envergadura para produção de carne e leite para os moçambicanos, com vista a evitar a tendência da sua importação.
Os empresários apresentaram ao Chefe do Estado as preocupações do seu quotidiano e os constrangimentos com que se debatem no exercício das suas actividades. Com efeito, em mensagem apresentada na circunstância, os empresários industriais da província de Maputo referiram-se aos processos morosos dos níveis do diálogo público-privado, energia eléctrica de baixa qualidade e insuficiente, que propicia o desgaste das máquinas, fraco abastecimento de água às indústrias, corrupção e burocracia na Função Pública, dificuldades no acesso a concursos públicos, segurança no desempenho das suas actividades, sobretudo no que diz respeito aos raptos e sequestros, urgência na construção de um aterro sanitário, para a qual alguns deles estão disponíveis a dar a sua contribuição, entre outras preocupações.
Para além das preocupações apresentadas em mensagem, alguns empresários colocaram as suas questões de forma individualizada, tendo-se referido, entre outras coisas, à necessidade de se fazer um diagnóstico às capacidades das empresas, de se criar condições para a construção de silos para o armazenamento e escoamento de produtos agrícolas, vias de acesso e priorização do mercado nacional antes da importação de equipamentos agro-pecuários.
Em resposta às preocupações manifestadas, o Presidente da República disse ter tomado nota das questões apresentadas. Referindo-se particularmente à burocracia e corrupção, Filipe Jacinto Nyusi pediu aos empresários para que não sejam facilitadores.
FELISBERTO ARNAÇA"
FONTE: JORNAL NOTICIAS DE MOÇAMBIQUE.

ENGENHEIROS DE MOÇAMBIQUE ORDEM DOS ENGENHEIROS COMEMORA A 3 DE MAIO DE 2015, O SEU DIA NACIONAL

UMA das classes de profissionais cada vez mais imprescindíveis para o desenvolvimento do país, a dos engenheiros, vai assinalar domingo, 3 de Maio, o seu dia nacional.
A celebração da efeméride contempla, para além de outras actividades, reflexões sobre a vida da agremiação que congrega aquela classe, a Ordem dos Engenheiros de Moçambique (OrdEM), que na terça-feira, 5 de Maio, deverá reunir-se em assembleia-geral para passar em revista as suas actividades desde a criação e perspectivar acções para os próximos anos.
A assembleia-geral irá também definir a data da realização das eleições para os corpos gerentes da OrdEM para o quinquénio 2016-2021. Actualmente, a agremiação tem como bastonário o electrotécnico Augusto de Sousa Fernando.
O Dia Nacional do Engenheiro foi instituído pela OrdEM em 2004 e escolhido pela classe por ter sido num 3 de Maio que foi aprovado pela Assembleia da República o dispositivo legal que a criou(Lei n.º 16/2002, de 3 de Maio). O ano de 2004 marcou o nascimento formal da OrdEM, que tem por missão, entre mais, registar e acreditar engenheiros que desejem exercer a profissão em Moçambique, liderar o progresso da engenharia, pondo-a ao serviço do desenvolvimento do país, fomentar o desenvolvimento do ensino e investigação da engenharia e zelar pela qualidade e segurança dos estudos, projectos e obras de engenharia
O programa comemorativo do Dia do Engenheiro contempla como uma das principais realizações uma palestra no Indy Village, na capital do país, subordinada ao tema “Infra-estruturas e Planeamento do Território na Mitigação de Cheias”. Com este evento os engenheiros pretende analisar a ocorrência das cheias que ciclicamente afectam o país e propor ao Governo e demais actores soluções para minimizar o seu impacto. O evento constitui um contributo da classe para a reflexão sobre como o país pode mitigar os efeitos de uma calamidade que ciclicamente o assola.
As comemorações do Dia Nacional do Engenheiro incluem igualmente um programa desportivo reservado a engenheiros, no sábado, 9 de Maio, que consistirá numa caminhada com início às 8.00 horas, fazendo o trajecto sede da OrdEM (Praça dos Trabalhadores)/Clube Naval/sede da OrdEM.
A OrdEM foi criada pela Lei n.º 16/2002 e presentemente junta cerca de 1900 engenheiros, subdivididos pelos colégios de agronomia, civil, electrotecnia, mecânica e química."
FONTE: JORNAL NOTICIAS DE MOÇAMBIQUE

sábado, 25 de abril de 2015

HELDER MUTEIA ANTIGO MINISTRO DE MOÇAMBIQUE HOJE DDIRECTOR - GERAL DA FAO APRESENTA CREDENCIAIS À CPLP NA PESSOA DO SEU SECRETÁRIO EXECUTIVO MURADE MURARGY

Muteia apresenta credenciais à CPLP

O representante da FAO em Portugal apresentou, esta quinta-feira, em Lisboa, credenciais ao secretário executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Murade Murargy.
Na ocasião, o secretário executivo da CPLP frisou que o acto irá estreitar ainda mais os laços de cooperação e colaboração entre a FAO e a CPLP.
“Esta apresentação representa um marco de trabalho muito importante para ambas as organizações”, disse Murade Murargy, durante a cerimónia de apresentação de credenciais.
Recorde-se que Hélder Muteia apresentou as credenciais ao governo português em 2013, quando foi nomeado para o cargo pelo director-geral da FAO, José
Graziano da Silva.
Leia mais na edição impressa do «Jornal O País»"
FONTE: SAPO MZ

CARLOS LOPES SECRETÁRIO EXECUTIVO DA COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA, ORGANISMO DA ONU, ACHA QUE BASTA DA IMPRENSA PROMOVER "VISÃO PESSIMISTA" DE ÁFRICA

"   Mundo

Responsável da ONU critica imprensa por promover “visão pessimista” de África

São Paulo – O secretário executivo da Comissão Económica para África, Carlos Lopes, criticou a imprensa por adotar “uma narrativa marcada por uma visão pessimista” do continente africano, que tem uma “situação económica invejável”.
Intervindo na cerimónia de tomada de posse do “Conselho África” do Instituto Lula, presidido pelo ex-Presidente brasileiro, Lula da Silva, o secretário executivo da Comissão Económica para África, organismo da ONU, considerou, na quinta-feira, que “a narrativa sobre a África está marcada por uma visão pessimista”. "
FONTE: LUSA MOÇAMBIQUE

PORTUGUESES, CABO VERDIANOS E GUINEENSES EMPRESARIOS JUNTOS PARA CONQUISTAR MERCADO AFRICANO

"Empresários portugueses, cabo-verdianos e guineenses juntos para “conquistar” mercado africano

Cidade da Praia - Associações empresariais de Portugal e de Cabo Verde incluíram na sexta-feira as da Guiné-Bissau para procurar parcerias que resultem em possibilidades de investimento no mercado da África Ocidental, disse à agência Lusa fonte oficial.
Francisco Mantero, presidente da ELO e em representação da Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI), falava à Lusa na Cidade da Praia, no final de um seminário subordinado ao tema "Cabo Verde como Plataforma das Empresas Lusófonas para a CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental)"."
FONTE: LUSA MOÇAMBIQUE.

TACV CABO VERDE TRANSPORTADORA AÉREA CONSIDERA PORTUGAL UM "MERCADO - CHAVE", INCLUINDO O DESTINO PORTO

"TACV quer reforçar voos para Portugal

Lisboa – A transportadora aérea de Cabo Verde, TACV, considera Portugal como um "mercado-chave" na nova estratégia e quer reforçar voos para o mercado português, incluindo o destino Porto, disse na sexta-feira, em Lisboa, o administrador comercial da empresa, Arik De.
Numa conferência de imprensa na capital portuguesa, o gestor explicou a nova estratégia para 2015-2016 da companhia aérea cabo-verdiana, os planos de expansão para Cabo Verde como ‘hub’ e as novas rotas neste período."
FONTE: LUSA MOÇAMBIQUE

OGE DE MOÇAMBIQUE PROPOSTA APRESENTADA AO PARLAMENTO MOÇAMBICANO

 "MOÇAMBIQUE

Recursos externos vão financiar 25% da despesa do Estado de 2015

Maputo - O Governo moçambicano vai financiar 25% das despesas do Estado com recursos externos, dos quais 15,9% através de créditos, indica a Proposta de Lei do Orçamento Geral do Estado (OGE) apresentada pelo Executivo à Assembleia da República, na sexta-feira.
No documento, o Governo moçambicano dá conta de uma redução de 6,8% dos donativos externos ao OGE, um incremento de 3,0% do crédito externo e de uma subida de 3,7% do crédito interno"
FONTE: LUSA MOÇAMBIQUE