quarta-feira, 2 de setembro de 2015

MIA COUTO HONORIS CAUSA PELA UNIVERSIDADE A POLITÉCNICA, MAPUTO, MOÇAMBIQUE

CERIMÓNIA TRANSMITIDA PELA TVM TELEVISÃO DE MOÇAMBIQUE, NOTICIÁRIO DAS 20H00M. PARABÉNS MIA!

terça-feira, 1 de setembro de 2015

TETE, MATEMA, CHARCUTARIA PORTUGUESA, RUA DA FIPAG

CASAL DE JOVENS EMPREENDEDORES PORTUGUESES PATRICIA E MENDES,
QUEM QUISER UM PETISCO DIFERENTE, OU COMPRAR E LEVAR PARA CASA, BONS ENCHIDOS, QUEIJOS, VINHOS, BOM AMBIENTE. CONTACTOS 840152829, email: newconceptmz@gmail.com 
TÂSSE BEM EM TETE!!!!!!

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

FILIPE CHIDUMO NOMEADO PARA ALTO-COMOSSÁRIO DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE JUNTO DO REINO UNIDO DA TGRÃ-BRETANHA E IRLANDA DO NORTE

NYUSI NOMEIA ALTO-COMISSÁRIO PARA REINO UNIDO E IRLANDA DO NORTE

Classifique este item
(0 votos)
Nyusi nomeia Alto-Comissário para Reino Unido e Irlanda do Norte
O Presidente da República, Filipe Nyusi, nomeou hoje, através de um Despacho Presidencial, Filipe Chidumo, para o cargo de Alto-Comissário da República de Moçambique, junto do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte.
Até a data da sua nomeação, Filipe Chidumo exercia a função de Secretário Permanente no Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, indica uma nota enviada à nossa redacção.
Num outro Despacho Presidencial, o Chefe do Estado moçambicano exonerou Carlos dos Santos, do cargo de Alto-Comissário da República de Moçambique, junto do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte. (RM)"
FONTE RÁDIO MOÇAMBIQUE.
NB: CONCEITUADO DIPLOMATA SUBSTITUI, OUTRO CONCEITUADO DIPLOMATA,PARABENS A AMBOS!

sábado, 29 de agosto de 2015

SABLE HILL, DEWE, MAGOÉ, PROVINCIA DE TETE MOÇAMBIQUE, BIODIVERSIDADE FAUNA FLORA, ACTIVIDADE DE ECOTURISMO, CINEGÉTICA, PESCA, CAÇA E LAZER, A NÃO PERDER!

IMBONEIRO MILENAR NO PERCURSO A CAMINHO DE SABLE HILL, DEWE, MAGOÉ
VISTAS MUITO PARCIAIS DA ESTRUTURA SEDE SABLE HILL NO LOCAL



SAINDO DE TETE, CIDADE E PERCORRENDO NA MARGEM DIREITA DO ZAMBEZE UM TOTAL DE CERCA DE 376 KM, SEM 300 KM EM ESTRADA ALCATROADA, NOMEADAMENTE, TETE CIDADE, CRUZAMENTO DA ESTRADA PARA O SONGO/BARRAGEM DE CAHORA BASSA, MATAMBO, MARARA, CATACHA, CHIRODZI, CHITIMA, CRUZAMENTO ESTRADA HCB/SONGO, NHANBANDO, NHANCAPIRIRI , DAQUE, MAGOÉ, E SENDO 76 KM EM PICADA, PELA MARGEM DA ALBUFEIRA DA BARRAGEM DE CAHORA BASSA, NOMEADAMENTE, CAZINDIRA, DEWE, ONDE FICA UMA RESERVA DENOMINADA SABLE HILL, DISTRITO DE MAGOÉ, NA PROVINCIA DE TETE. DEMORANDO UM TOTAL DE MAIS OU MENOS 6 A 7 HORAS NO TOTAL, 4 A 5 HORAS NA ESTRADA ALCATROADA E 2 A 3 HORAS NA PICADA, CHEGANDO FINALMENTE A SABLE HILL. VALE A PENA, AS HORAS QUE SE DEMORAM PELA DIVERSIDADE E RIQUEZA HUMANA QUE SE ENCONTRA PELO CAMINHO, PAISAGEM, MUITOS IMBONDEIROS, ANTILOPES DE VÁRIAS ESPÉCIES, MACACOS, SERRAS, MACHAMBAS, ALDEIAS TRADICIONAIS, LOJAS QUE VENDEM TUDO. PODE-SE ENCONTRAR ELEFANTES, DEPENDENDO DA HORA E DA SORTE.
EM SABLE HILL, DEWE, Distrito de Magoé, Provincia de Tete, TEMOS O HOSPITALEIRO, SIMPÁTICO E PROFISSIONAL COMPETENTE A RECEBERMOS, SÓCIO E ADMINISTRADOR IBRAHIMO MANGERA, FIGURA BEM CONHECIDA. NA CONCESSÃO DA SABLE HILL PODE VER COM OS MEUS PRÓPRIOS OLHOIS: UMA VARIEDADE IMENSA DE ANTILOPES, BUFALOS, JAVALIS, GALINHAS DO MATO, PERDIZES, HIPOPOTAMO, ZEBRAS POR DIVERSAS VEZES, BEM LINDONAS E GRACIOSAS, COELHOS, BANDOS DE CENTENAS DE PASSAROS, DIVERSO TIPO DE AVES, MACACOS, LEOPARDO, ESQUILOS, UMA MARAVILHA SÓ VISTA NO LOCAL.
O PESSOAL QUE NOS RECEBE É SIMPÁTICO, HOSPITALEIRO E MUITO CORDIAL.AS INTALAÇÕES SÃO ADEQUADAS AO AMBIENTE, HIGIÉNICAMENTE APRESENTÁVEIS, ÁGUA QUENTE PARA O BANHO, UMA PARTE IMPORTANTE NESTAS ANDANÇAS.
O IDEAL É VIR VER COMO É.

PELO QUE PODERÁ CONTACTAR DIRECTAMENTE: Ibrahimo Mangera, email: imangera@tdm.co.mz, telem: +258 825964320.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

JARDIM DE TUNDURO VAII REABRIR AO PÚBLICO EM SETEMBRO, UMA "PÉROLA" EM MAPUTO, MOÇAMBIQUE

   MOÇAMBIQUE

Histórico Jardim Tunduro de Maputo reabre em setembro

Maputo - O Tunduro, o maior jardim botânico de Moçambique, localizado em Maputo, vai reabrir ao público em setembro, após cerca de dois anos de obras, afirmou o vereador das atividades económicas da capital, citado pelo diário Notícias.
Segundo João Munguambe, os trabalhos em curso compreendem a construção de mais uma estufa e reabilitação da estufa antiga, melhoria da vedação e arruamentos, bem como construção de um sistema de saneamento, rega e colocação de novos bancos."
FONTE: LUSA MOÇAMBIQUE.

IPEME E CAMARA DE COMÉRCIO DE MOÇAMBIQUE, CLAIRE ZIMBA DIRECTOR GERAL DO INSTITUTO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E JULIÃO DIMANDE, PRESIDENTE DA CCM, ASSINAM UM MEMORANDO DE ENTENDIMENTO PARA APOIO TÉCNICO ÀS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

UM memorando de entendimento para o apoio técnico às pequenas e médias empresas (PME) foi rubricado, recentemente, na cidade de Maputo, pela Câmara de Comércio de Moçambique e o Instituto para Promoção de Pequenas e Médias Empresas (IPEME).
O acordo vai permitir a definição do perfil organizacional e a estruturação das PME face aos desafios do mercado.
Segundo Claire Zimba, director-geral do IPEME, à luz do protocolo, as PME vão receber formação básica de modo a desenvolverem as suas actividades e estarem em condições de aderir às linhas de financiamento específicas.          
Para o efeito, serão realizadas formações reorientadas às PME e igualmente desenvolvidas plataformas que facilitem as parcerias entre elas, tendo em conta as janelas de oportunidades que existem no mercado das contas públicas e dos grandes projectos, afirmou Zimba.
O protocolo permitirá ainda a definição do financiamento adequado às empresas. É neste contexto que será constituído um dossier do financiamento que tenha um aporte de informação que deve ser confiada à banca para que as PME possam obter financiamento bancário, sublinhou Zimba.  
Para Julião Dimande, presidente da Câmara de Comércio de Moçambique, com a parceira abre-se uma oportunidade para as PME se capacitarem face aos horizontes de negócios que se abrem no país. É dentro desta dinâmica que a câmara procura ser ágil, inclusiva, interagindo com os interesses do Governo e dos seus associados."
FONTE:JORNAL NOTICIAS DE MOÇAMBIQUE.

LUISA MEQUE VICE MINISTRA DA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR DE MOÇAMBIQUE DE VISITA A SOFALA : PRIORIDADE É REDUZIR IMPORTAÇÃO DE CARNE.

A REDUÇÃO da dependência do país em relação à importação de carne afigura-se como uma das apostas do Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar (MASA) para os próximos tempos.
Para tal, está já em curso um trabalho de melhoramento genético do gado bovino nacional.
A vice-ministra do sector, Luísa Meque, que há dias esteve na província de Sofala, disse que aquela região está a registar um grande sucesso na inseminação artificial para o melhoramento genético tendo já sido feitas 500.
Actualmente, segundo a governante, o país possui pouco mais de um milhão de bovinos mas, mesmo assim, continuamos a importar a carne. É neste contexto que, segundo Luísa Meque, há que se trabalhar para inverter o cenário, potenciando diversas áreas, desde o melhoramento de espécie, provimento de medicamentos, entre outros, para que o país possa atingir a competitividade no mercado internacional.
Na sua visita a Sofala, a vice-ministra também ficou satisfeita com a produção agrícola que, no seu entender, será dinamizada com a entrada em funcionamento da futura fábrica de processamento instalada no posto administrativo de Tica, no distrito de Nhamatanda, a sensivelmente 70 quilómetros da cidade da Beira.
A seguir as partes mais significativas da entrevista concedida pela vice-ministra da Agricultura e Segurança Alimentar.
Notícias (Not.)- O que se pode dizer depois de visitar esta província?
Luísa Meque (LM)– Primeiro, devo dizer que visitámos esta província, concretamente os distritos de Nhamatanda e Búzi, onde avaliámos a campanha agrária 2014/2015. Verificámos como é que o nosso sector está em termos de implementação das actividades planificadas.
Especificamente, podemos dizer que em Nhamatanda conseguimos ver com satisfação o que está a ser feito, tanto na área agrícola, como na produção pecuária, pois estamos na perspectiva do aumento da produção e produtividade ao nível do nosso sector.
Not. -Particularmente Nhamatanda…
LM- Sim. Em Nhamatanda, visitámos a futura fábrica de processamento de tomate e legumes. Apercebemo-nos de que esta produção de hortícolas, sobretudo tomate, não está a ser devidamente aproveitada por falta de uma unidade de processamento como a que já está pronta.
Nós sentimos que aquilo que está a ser produzido localmente pode ser conservado, porque os produtores conseguem muita quantidade, mas parte considerável está a apodrecer por falta de processamento e conservação. Também, a mesma fábrica vai servir para o processamento dos vegetais.
ESFORÇO NAS TECNOLOGIAS
Not.- No distrito do Búzi também visitou alguns projectos no âmbito do PITTA (Programa Integrado de Transferência de Tecnologias). Quais as constatações?
LM-Sim. Visitámos alguns projectos e produtores no âmbito do PITTA e notámos que os pacotes que vêm sendo desenvolvidos a nível do nosso sector estão a ser aplicados com muito esforço do Governo, no sentido de fazer passar essas tecnologias para o sector familiar.
Isto significa que os produtores estão a acatar as regras e, consequentemente, a produção e produtividade estão a aumentar. Fora disso, também notamos que a produção do frango a nível dos produtores que visitámos também está aumentar e eles próprios conseguiram mostrar aquilo que são as vantagens da sua produção. São pequenos produtores que começaram com a criação de 500 pintos, mas que já estão a melhorar cada dia que passa.
Outro aspecto que constitui motivo de orgulho é a produção e processamento do arroz pela empresa Cherimónio, de capitais chineses. Aliás, Búzi possui um grande potencial orizícola.
Not.- Em Nhamatanda também visitou produtores de gado de corte. O que há de concreto?
LM-Efectivamente. Visitámos produtores que estão muito focalizados no melhoramento genético dos animais. Se estamos a apostar na produção de carne nacional de modo a diminuir a dependência externa, então, também devemos melhorar a questão genética.
Os criadores já estão a tomar a consciência deste aspecto de melhoramento genético e estão a usar uma das tecnologias que é a inseminação artificial. Um dos criadores já tem 500 nascimentos por via de inseminações. Ficámos bastante entusiasmados com isso.
O criador Kennett Mac Carter é um grande exemplo de melhoramento genético através das raças como brahman, boran e beefmaster.
Então, estamos a ver a massificação deste tipo de aposta de melhoramento genético, tanto no Chimoio, como aqui em Sofala, e vimos que os produtores estão a dar conta do recado na diversificação e massificação daquilo que é o nosso desejo a nível do sector agrário.
CARNE NACIONAL SERÁ COMPETITIVA
Not.- Como será feita essa massificação?
LM -O Governo está apostado para que todos os produtores melhorem as suas condições. Em termos de adesão a este processo, podemos dizer que já temos muitos criadores a seguirem, desde os pequenos, médios e grandes produtores. Só na zona sul temos por volta de 30 criadores, mas existem também nas outras regiões do país.
Not. -Apesar do nosso país dispor de um grande potencial pecuário, continua a importar carne. Como reverter este cenário?
LM-Apesar de o nosso país ter um potencial pecuário ainda continua a importar carne. Mas o nosso desafio como sector é trabalhar para reduzir essa importação. É por isso que estamos a trabalhar com todos os produtores para que adiram aos programas existentes como, por exemplo, de engorda para a produção de carne de modo que essa carne seja consumida a nível nacional e seja de qualidade. Queremos que a nossa carne consiga concorrer com a carne do mercado internacional.
Not.- Os produtores debatem-se com a falta de medicamentos veterinários. Quais são as acções que o Governo está a tomar para contrariar esta escassez?
LM-A nível do Governo temos plasmado um programa sanitário e dentro desse programa existe um calendário das aquisições dos medicamentos necessários.
Também inclui a parte profilática, produção de vacinas. De referenciar que a nível de Moçambique já se produzem vacinas obrigatórias que são administradas no país. Portanto, nós já estamos a trabalhar com alguns medicamentos produzidos internamente. É lógico que estamos a trabalhar no sentido de que todos os produtores possam adquirir os fármacos em tempo útil e cada vez mais próximo das suas áreas de trabalho.
António Janeiro"
FONTE: JORNAL NOTICIAS DE MOÇAMBIQUE.