terça-feira, 23 de julho de 2019

ANTÓNIO GUTERRES SECRETÁRIO GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS ESTEVE EM SOFALA EM 12 DE JULHO DE 2019

"Por: Augusto Macedo Pinto António Guterres, Secretário Geral das Nações Unidas em Sofala Falar de uma personagem tão importante como Guterres, acredito que é um grande atrevimento da minha parte. Vou ser atrevido, desculpem-me. Convivi de forma mais próxima nos tempos idos de 1998, a quando da visita de António Guterres então Primeiro-Ministro de Portugal e eu na altura Cônsul Geral Honorário de Moçambique no Porto e Zona Norte de Portugal e ele me convidou para integrar a comitiva da sua visita oficial a Moçambique. Claro que esta iniciativa teve o apoio do então Embaixador de Moçambique em Portugal, Pedro Comissário. O que mais me entusiasmou na visita de Guterres a Moçambique foi ter incluido no seu programa, a visita oficial à cidade da Beira, pois saindo da prática habitual dos governantes estrangeiros circunscreverem as suas desloca- ções a Moçambique, só a Maputo. Tal entusiasmo da minha parte, fui tão extrovertido que membros da comitiva houve que me disseram “OH DR MACEDO PINTO, estamos muito curiosos de ir conhecer a sua Beira, pois está muito entusiasmado com a deslocação à Beira”. “O que se passará na Beira? O que tem a Beira?”, diziam eles, os outros membros da comitiva. Momentos que se viveram na Beira durante a visita de António Guterres e a sua comitiva em Outubro de 1998, foi ele que anunciou aos presentes aqui na Beira e numa recepção nas instalações do Centro Recreativo do Banco de Moçambique, nas Palmeiras, que José Saramago tinha ganho o Prémio Nobel da Literatura, o primeiro português a alcançar tal feito. Um episódio relatado na REVISTA ESTANTE a propósito aqui transcrito, dada a sua relevância: “Quinta-feira, 8 de Outubro de 1998. No Aeroporto de Frankfurt, ao final da manhã, um homem aguarda sozinho a hora de embarcar no avião que o conduzirá a Madrid e, posteriormente, à ilha espanhola de Lanzarote. Acaba de deixar a Feira do Livro local e está pronto para voltar a casa. Não lhe passa pela cabeça que está a ser procurado. “Senhor José Saramago”, chama uma voz de mulher pelo altifalante na sala de embarque. O sobressalto leva a que uma hospedeira se aproxime: “É o senhor?” E continua: “É que está aqui uma jornalista que quer falar consigo. O senhor ganhou o prémio Nobel!” As grandes novidades da vida chegam-nos muitas vezes nas ocasiões mais triviais. E é assim, sem protocolos ou formalidades, que José Saramago recebe a notícia de que é o primeiro escritor de língua portuguesa a vencer o prestigiante Nobel da Literatura. A Academia Sueca elogialhe as “parábolas portadoras de imaginação, compaixão e ironia” com que torna “constantemente compreensível uma realidade fugidia”. Mas não é nisso que pensa. É em Pilar del Río, a mulher. Sente-se triste por não estar com ela naquele momento. E dá-se conta, como há de recordar depois, que “a alegria, se se está sozinho, é nada”. ....Enquanto caminha, resmunga para si próprio: “Tenho o Nobel, e o quê?”■
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE.

BORIS JOHNSON SERA NOVO PRIMEIRO MINISTRO BRITANICO, FOI ELEITO LIDER DO PARTIDO CONSERVADOR BRITANICO, PARABENS!

Boris Johnson eleito líder do Partido Conservador. Será o novo primeiro-ministro britânico

| Mundo
Última HoraEm Atualização
Boris Johnson já foi mayor da cidade de Londres e ocupou durante dois anos o cargo de ministro britânico dos Negócios Estrangeiros
 | 

Boris Johnson, antigo "mayor" de Londres, sucede à primeira-ministra Theresa May à frente do Governo britânico. O novo líder do Partido Conservador obteve 92.153 votos, enquanto Jeremy Hunt contou com 46.656 votos. O resultado foi anunciado esta terça-feira, num dia em que se espera uma nova onda de demissões no Governo britânico.

A votação, que durou duas semanas e meia, encerrou na segunda-feira, às 17 horas. Esta terça-feira, foram revelados os votos dos cerca de 160 mil membros do Partido Conservador, que escolheram o novo líder e, consequentemente, o chefe de Governo. 


Johnson vai assumir o cargo de liderança dos tories na tarde desta terça-feira, mas tornar-se-á oficialmente primeiro-ministro na quarta-feira.

Johnson, antigo mayor de Londres e líder da campanha pelo Brexit aquando do referendo em 2016, tinha sido apontado como o favorito à vitória. 

O candidato conservador, que renunciou ao cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros em 2018 devido aos planos de May para o Brexit, prometeu concretizar a saída do Reino Unido até ao dia 31 de outubro, em pouco mais de três meses, "aconteça o que acontecer". Disse ainda que, se necessário, o país sairia sem qualquer acordo.

O novo inquilino do número 10 de Downing Street herda uma crise política oriunda da saída do Reino Unido da União Europeia. Johnson terá ainda de convencer Bruxelas a retomar as negociações para um acordo, ou arrisca-se a sair da UE sem um entendimento. 

O acordo proposto por Theresa May foi rejeitado três vezes pelo Parlamento desde o início do ano, o que motivou o seu pedido de demissão.
Onda de demissões poderá seguir-se

Vários deputados, incluindo membros do Partido Conservador, prometeram demitir-se caso Johnson fosse eleito. O partido encontra-se profundamente dividido. 

Muitos conservadores receavam a vitória de Boris Johnson devido à sua insistência na possibilidade de saída sem acordo. Outros conservadores prometeram ainda impedir que a saída possa acontecer sem qualquer acordo com as instituições europeias.

Já esta semana, Alan Duncan, ministro de Estado britânico para a Europa e as Américas, apresentou a sua demissão. 

O ministro demissionário pediu ainda a realização de uma moção de censura após a possível eleição de Johnson como líder do Partido Conservador ainda antes da nomeação como primeiro-ministro - que só ocorrerá na quarta-feira à tarde - de forma a evitar "uma crise constitucional". O pedido foi rejeitado pelo speaker, John Bercow. 

Os ministros da Justiça e das Finanças, David Gauke e Philip Hammond, também prometeram apresentar a demissão caso Johnson vencesse. Gauke apontou "visões muito diferentes quanto às consequências de um Brexit sem acordo" como o motivo para a saída do Governo.

O ministro para o Desenvolvimento Internacional, Rory Stewart, também já prometeu demitir-se. 
Quem é Boris Johnson?
Alexander Boris de Pfeffel Johnson nasceu em Nova Iorque a 19 de junho de 1964. Viveu em Nova Iorque, em Washington e em Norwalk, Connecticut, obtendo dupla nacionalidade.

Permaneceu nos Estados Unidos até aos cinco anos de idade. Em 2016, renunciou à cidadania americana, especulando-se que o terá feito para evitar o pagamento de elevados impostos. 

Após alguns anos em Londres, a família Johnson deslocar-se-ia para Bruxelas, quando o seu pai obteve um emprego na Comissão Europeia. 

Johnson regressou ao Reino Unido para estudar na Eton College e, mais tarde, em Oxford. Começou a sua carreira como jornalista no jornal britânico The Times, de onde foi despedido por falsificar uma citação. 

Tornar-se-ia correspondente do The Daily Telegraph em Bruxelas, onde desenvolveu um forte sentimento eurocético, visível nos seus artigos.A carreira jornalística terminaria no The Spectator, em que desempenhou o cargo de editor até 2005.

Em 2001, começaria a carreira política. Foi eleito deputado por Henley-on-Thames, pelo Partido Conservador. Mostrou possuir uma posição mais liberal do que os restantes tories, sobretudo no tópico dos direitos da comunidade LGBT. 
Os seus comentários controversos foram alvo de algumas críticas. Em 2006, escreveu no The Telegraph que a crise de liderança que se verificava no Partido Trabalhista era semelhante a "orgias de canibalismo e matanças organizadas em Papua-Nova Guiné". Foi obrigado a pedir desculpa ao país.

Em 2008, foi eleitor mayor de Londres, derrotando o candidato trabalhista, Ken Livingstone. Foi reeleito em 2012, permanecendo no cargo até 2016. 

Durante o primeiro mandato, proibiu o consumo de álcool nos transportes públicos da cidade e introduziu novos transportes, como bicicletas. Esteve também envolvido em alguns escândalos: foi acusado de contratar pessoas que não eram indicadas para os seus cargos, mas que o apoiavam, como foi o caso de Veronica Wadley, assim como de possuir despesas excessivas à custa do Parlamento. 

No segundo mandato, destaque para o papel de supervisão nos Jogos Olímpicos de 2012, que se realizaram na capital britânica. 

Em 2015, regressou ao Parlamento por Uxbridge e South Ruislip e, em 2016, tornou-se uma das figuras principais na campanha pelo Brexit. "Só há uma forma de conseguir a mudança que queremos – votar pela saída da União Europeia", disse.

Argumentou ainda que a União Europeia era uma tentativa de criar um Império Romano na Europa. "Napoleão, Hitler e várias pessoas tentaram fazê-lo, e acabou de forma trágica. A UE é uma tentativa de fazer isto com métodos diferentes", referiu. 
Papel no Brexit
Boris Johnson rejeitou candidatar-se à liderança do Partido Conservador imediatamente após o resultado de referendo de 2016. Theresa May seria a eleita, escolhendo Johnson para o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros. 

"É mais provável que eu reencarne como uma azeitona, fechado num frigorífico abandonado, decapitado por um frisbee voador", disse Boris Johnson em 2015, quando questionado sobre a possibilidade de se candidatar à liderança do partido. 

Durante o mandato como ministro dos Negócios Estrangeiros, apoiou o presidente turco Recep Erdoğan, prometendo apoiar a entrada da Turquia na União Europeia. Apoiou também a intervenção liderada pela Arábia Saudita no Iémen e recusou estancar a venda de armamento britânico aos sauditas por considerar que não existiam provas claras de violação de leis humanitárias internacionais. 

Boris Johnson abandonou o cargo dois anos depois, em julho de 2018, como forma de protesto contra os planos delineados por Theresa May para o Brexit. 

Em 2018, voltaria a ser deputado, mas demitiu-se, considerando que o Governo estava "a dizer uma coisa à UE e a dizer outra coisa ao eleitorado".

Foi acusado de abuso de confiança do público durante a campanha pelo Brexit em 2016, por alegadas mentiras acerca das despesas do Reino Unido na União Europeia, mas acabou por ser ilibado. 

Em 2019, Boris Johnson anunciou a sua candidatura à liderança do Partido Conservador depois de Theresa May ter anunciado a sua demissão. Durante toda a campanha, Johnson foi considerado o favorito à vitória. 

A candidatura foi apoiada pelo presidente norte-americano, Donald Trump. "Eu acho que o Boris faria um excelente trabalho. Acho que ele seria excelente. Eu gosto dele", disse."
FONTE: RTP, TELEVISÃO PORTUGUESA

sexta-feira, 19 de julho de 2019

USA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA E MOÇAMBIQUE SECTOR EMPRESARIAL CRIA INTERLOCUTOR DE NEGÓCIOS: CAMARA DE COMERCIO DOS ESTADOS UNIDOS EM MAPUTO, MOÇAMBIQUE. PARA QUANDO A SUA DELEGAÇÃO EM SOFALA?

"Empresários americanos já tem entidade para apoiar ingresso no mercado moçambicano Cham) em Moçambique, irá incentivar o desenvolvimento do investimento e do comércio entre Moçambique e os Estados Unidos, principalmente para atingir o objectivo de apoiar as empresas e o investimento dos EUA. Falando num encontro com Levin Born e Samuel Levy, os co-fundadores da recém-formada Câmara de Comércio Americana (AmCham) em Moçambique, num encontro em que também esteve presente a Conselheira Comercial dos EUA para Moçambique, Tamarind Murrietta, o diplomata afirmou que a nova AmCham Moçambique será um parceiro crucial da Embaixada dos EUAem Maputo. “A Am Cham será essencial para ajudar as empresas dos EUA interessadas em entrar no mercado moçambicano e apoiar as necessidades das empresas americanas que já aqui operam”. A Câmara de Comércio dos Estados Unidos é considerada a maior organização empresarial no mundo. Os membros fundadores do capítulo de Moçambique incluem a Anadarko; DDB Moçambique; Delta; EleQtra; Ernst & Young; General Electric; Globalstar; Mozambique Investments; Nathan & Associates; PricewaterhouseCoopers; Radisson; Regent Square Group; Sal & Caldeira; e ThirdWay Africa. Com a confirmação do investimento da Anadarko no projecto de Gás Natural Liquefeito (GNL) na Bacia do Rovuma, orçado em 23 biliões de dólares, os EUA tornam-se o maior parceiro económico de Moçambique, país onde já a cerca de 500 empresas americanas que procuram assistência.■ (Érica Chabane) Maputo (O Autarca) – O Embaixador dos EUA para Moçambique, Dennis W. Hearne, considera que a Câmara de Comércio Americana ("
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE

quinta-feira, 18 de julho de 2019

SAÚDE DE MOÇAMBIQUE, UM HOSPITAL EM CADA DISTRITO, PALAVRA DE ORDEM DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA ENGENHEIRO FILIPE JACINTO NYUSI, MOÇAMBIQUE TEM 154 DISTRITOS

A SAÚDE DE MOÇAMBIQUE AVANÇA, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ENGENHEIRO FILIPE JACINTO NYUSI, NAS SUAS RECENTES INTERVENÇÕES PÚBLICAS TORNOU COMO PALAVRA DE ORDEM UM HOSPITAL UM DISTRITO, UM DISTRITO UM HOSPITAL. O SEU GOVERNO NA PESSOA DA MINISTRA DA SAÚDE A MÉDICA DRA NAZIRA ABDULA, JÁ DEMONSTROU O SEU EMPENHO EM ATINGIR ESSE OBJECTIVO!MOÇAMBIQUE TEM 154 DISTRITOS.

segunda-feira, 15 de julho de 2019

CATEDRAL DA BEIRA IGREJA CATEDRAL PRECISA URGENTE DE APOIO PARA COBERTURA DO SEU TELHADO, BEM COM INFRAESTRURAS ANEXAS E SALAS DE AULAS, A ÉPOCA DAS CHUVAS ESTA À PORTA, POR FAVOR CONTACTEM DIRECTAMENTE O PÁROCO PADRE JOSÉ COSTA.


CATEDRAL DA BEIRA - PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO

CAIXA POSTAL 594

BEIRA – PROVINCIA DE SOFALA

MOÇAMBIQUE

STANDARD BANK :NÙMERO DE CONTA BANCÁRIA EM METICAIS : 2010183391006

NIB: 000302010018339100694

IBAN: MZ59000302010018339100694

SWIFT: SBICMCMX

Frei Pedro José António da Costa

PÁROCO

Telefones: 00258 824363850/847606183

sexta-feira, 12 de julho de 2019

GORONGOSA, PARQUE NATURAL DA GORONGOSA, PROVINCIA DE SOFALA, POR TRÊS VEZES NAS 50 MELHORES FOTOS DE 2019.

"Gorongosa representado três vezes nas 50 Melhores Fotos de 2019 da National Geographic Chitengo (O Autarca) – O Parque Nacional da Gorongosa está representado por três vezes nas “50 Melhores Fotos de 2019 - até agora” da National Geographic. As fotos representadas são de autoria do fotógrafo Charlie Hamilton James. O Parque Nacional da Gorongosa é o mais emblemático de Moçambique. Trata-se de uma área de conservação situada na zona limite sul do Grande Vale do Rift Africano, no coração da zona centro de Moçambique. O Parque, com um pouco mais de 4000 km², inclui o vale e parte dos planaltos circundantes. Os rios que nascem no vizinho Monte Gorongosa, que atinge os 1.863 metros de altura, irrigam a planície. Em 20 de Julho de 2010 o governo moçambicano decidiu alargar a área do parque para 4.067 km², bem como criar uma zona tampão de 3,30 km² à sua volta. Está a beneficiar de um ambicioso projecto de recuperação, numa parceria público-privada, que envolve o Governo de Moçambique e a Fundaçao Car,dos EUA. O projecto de recuperação da Gorongosa é destacado como sendo um dos maiores exemplos mundiais e tem atraído interesse multidisciplinar. Entretanto, o National Geographic é um canal de televisão, por assinatura, de propriedade da Walt Disney Television, uma divisão da The Walt Disney Company. O canal é destinado a apresentação de documentários, séries e programas educativos sobre ciência, tecnologia, história e meio ambiente. Fundado Janeiro de 2001, tem a sua sede em Washington, D.C., Estados Unidos da América.■ (Redacção) https://www.facebook.com/Jornal-O-Autarca-da-Beira-Mozambique-298173937184488/"
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE.

NYUSI E GUTERRES ANALISAM COOPERAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS COM M;OÇAMBIQUE

"Nyusi e Guterres analisam cooperação Moçambique - ONU Maputo (O Autarca) – O Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, que já se encontra em Moçambique para uma visita de trabalho de dois dias ao país, será recebido esta tarde (15h00 locais), em Maputo, pelo Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi. Segundo apurou O Autarca, no encontro entre Filipe Nyusi e António Guterres, a decorrer na Presidência da República, será analisada a cooperação entre Moçambique e o sistema das Nações Unidas, para além da avaliação do ponto de situação pós-emergência, entre outros assuntos de interesse multilateral. A deslocação, amanhã, sextafeira (12JUL19), à cidade da Beira, representa um dos momentos mais marcantes desta que é a primeira visita do Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) à Moçambique. Na cidade da Beira, António Guterres pretende observar pessoalmente a destruição causada pelo ciclone tropical Idai, estabelecer contacto directo com os sobreviventes e avaliar os esforços de recuperação pós aquela que representa uma das piores catástrofes ambientais vividas no continente africano. Guterres já manifestou que a organização que lidera “gostaria de fazer muito mais” para ajudar Moçambique, tendo garantido que as agências das Nações Unidas estão completamente mobilizadas para o apoio às populações que sofreram tanto.■ (Érica Chabane)"
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE

quinta-feira, 11 de julho de 2019

ANTÓNIO GUTERRES, SECRETÁRIO GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS VEM A SOFALA


ANTÓNIO GUTERRES, SECRETÁRIO GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS VEM A  SOFALA



Falar de uma personagem tão importante como Guterres, acredito que é um grande atrevimento da minha parte. Vou ser atrevido, desculpem-me.

Convivi de forma mais próxima nos tempos idos de 1998, a quando da visita de António Guterres então Primeiro Ministro de Portugal e eu na altura Consul Geral Honorário de Moçambique no Porto e Zona Norte de Portugal e ele,  me convidou para integrar a comitiva da sua visita oficial a Moçambique. Claro que esta iniciativa teve o apoio do então Embaixador de Moçambique em Portugal,  Pedro Comissário.

O que mais me entusiasmou na visita de Guterres a Moçambique foi ter incluido no seu programa,  a visita oficial  à cidade da Beira, pois saindo da prática habitual dos governantes estrangeiros circunscreverem as suas deslocações a Moçambique, só a Maputo. Tal entusiasmo da minha parte,  fui tão extrovertido que membros da comitiva houve que me disseram “OH DR MACEDO PINTO, estamos muito curiosos de ir conhecer a sua Beira, pois está muito entusiasmado com a deslocação à Beira”. “O que se passará na Beira? O que tem a Beira? ”, diziam eles,  os outros membros da comitiva.

Momentos que se viveram na Beira durante a visita de António Guterres e a sua comitiva em Outubro de 1998, foi ele que anunciou aos presentes aqui na Beira e numa recepção nas instalações do Centro Recreativo  do Banco de Moçambique nas Palmeiras que José Saramago tinha ganho o Prémio Nobel da Literatura, o primeiro português a alcançar tal feito. Um episódio relatado na  REVISTA ESTANTE a propósito aqui transcrito, dada a sua relevância : Quinta-feira, 8 de outubro de 1998. No aeroporto de Frankfurt, ao final da manhã, um homem aguarda sozinho a hora de embarcar no avião que o conduzirá a Madrid e, posteriormente, à ilha espanhola de Lanzarote. Acaba de deixar a Feira do Livro local e está pronto para voltar a casa. Não lhe passa pela cabeça que está a ser procurado.

“Senhor José Saramago”, chama uma voz de mulher pelo altifalante na sala de embarque. O sobressalto leva a que uma hospedeira se aproxime: “É o senhor?” E continua: “É que está aqui uma jornalista que quer falar consigo. O senhor ganhou o prémio Nobel!”

As grandes novidades da vida chegam-nos muitas vezes nas ocasiões mais triviais. E é assim, sem protocolos ou formalidades, que José Saramago recebe a notícia de que é o primeiro escritor de língua portuguesa a vencer o prestigiante Nobel da Literatura. A Academia Sueca elogia-lhe as “parábolas portadoras de imaginação, compaixão e ironia” com que torna “constantemente compreensível uma realidade fugidia”.

Mas não é nisso que pensa. É em Pilar del Río, a mulher. Sente-se triste por não estar com ela naquele momento. E dá-se conta, como há de recordar depois, que “a alegria, se se está sozinho, é nada”.

....Enquanto caminha, resmunga para si próprio: “Tenho o Nobel, e o quê?”





“...Quinta-feira, 10 de dezembro de 1998. Num banquete de gala, em Estocolmo, José Saramago ergue-se para proferir um discurso. Os dois meses após o anúncio da conquista do Nobel foram um corrupio de entrevistas e declarações públicas.

“Tenho a consciência de que não nasci para isto”, revelou numa dessas ocasiões. “É assombroso porque, cada vez que acontece algo, neste caso o Nobel, pergunto-me se aquilo que fiz ao longo da vida deu para construir uma obra que chega a merecer o mais célebre prémio literário do mundo. Como é que isto me aconteceu a mim? Uma pergunta para a qual, honestamente, não tenho resposta.”

Como poderia não ser uma surpresa para o escritor português? “Nasci numa família de gente muito pobre, camponesa e analfabeta, numa casa onde não havia livros e em circunstâncias económicas que não me teriam permitido entrar na universidade”, disse noutra entrevista. “Nada prometia um prémio Nobel.” E, no entanto, ganhou-o.

Desde o primeiro momento, no aeroporto de Frankfurt, até subir ao pódio para receber o galardão, Saramago passou o tempo a garantir que este não haveria de o mudar enquanto homem e escritor.”

“...Ao discursar no banquete de gala, com os olhos do mundo postos nele, Saramago prova a verdade das suas palavras ao decidir falar a maior parte do tempo sobre o não cumprimento integral da Declaração Universal dos Direitos Humanos no mundo. Agradece, por fim, aos editores, tradutores e leitores. Termina com o elogio a todos os escritores portugueses e de língua portuguesa: “É por eles que as nossas literaturas existem. Eu sou apenas mais um que a eles se veio juntar. Disse que não nasci para isto, mas isto foi-me dado. Bem hajam, portanto.”

Amigos que estiveram neste encontro que recordo e já partiram,  como o caso do saudoso Xavier Anacleto Fernandes, então Director Geral da Pescamar.

António Guterres,  inauguraria uma empresa de produção fabril, de capitais portugueses, ainda nesta sua visita à Beira e acompanhado do seu proprietário o Comendador Fernando Pinho Teixeira aquilo que ainda é hoje uma uma empresa de referência por ter nos seus quadros mais de uma centena de trabalhadores moçambicanos e cerca de cinquenta por cento da sua produção ser exportada a partir da Beira para o mercado dos Paises vizinhos de Moçambique, a FERPINTA.

O Secretário Geral das Nações Unidas é um brilhante engenheiro de profissão que saiu do Instituto Superior Técnico de Lisboa com média de 19 Valores, onde foi também professor.Tendo sido ainda Alto Comissário para Os Refugiados, pessoa humanamente sensível, experiente em todo o tipo de adversidades que por vezes a natureza e/ou o homem,  nos trazem. É a pessoa duplamente certa para visitar Sofala no PÓS IDAI, atento ainda ao alto cargo que no momento desempenha. Durante a Conferência Internacional de Doadores ocorrida na Beira a 31 de Maio e 1 de Junho passado, na sua qualidade de Secretário Geral das Nações Unidas,  não deixou de nos enviar e estar presente,  através de uma mensagem em video conferência, carregada de humanismo e solidariedade pelo momento que ainda atravessamos.

Cá o esperamos Engenheiro António Guterres e Secretário Geral das Nações Unidas.

Augusto Macedo Pinto

UCM UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE INAUGURA UMA NOVA UNIDADE ORGÂNICA EM MAPUTO COM TRÊS MESTRADOS

"UCM inaugura presença em Maputo com três cursos de Mestrado Beira (O Autarca) – A Universidade Católica de Moçambique (UCM), uma das mais prestigiadas instituições do ensino superior do país, com sede na cidade da Beira, inaugura no presente semestre a sua nova unidade orgânica de Maputo. O facto foi anunciado, recentemente, na cidade da Beira, pelo Magnífico Reitor da UCM, Prof. Doutor Padre Alberto Ferreira, no decurso da última cerimónia de graduação de Licenciados e Mestres. “Quero, com muita alegria e satisfação anunciar-vos que, depois muito trabalho, o Conselho Nacional de Avaliação de Qualidade (CNAQ) acreditou previamente três (3) dos quatro (4) cursos/programas de Mestrado,que a UCM irá oferecer na nova Unidade Orgânica de Maputo” – afirmou Alberto Ferreira. Segundo a fonte, trata-se de cursos de Mestrado em Contabilidade e Auditoria; Administração e Gestão de Negócios (MBA); e Mestrado em Saúde Pública. “Estes programas de Mestrado irão permitir à nossa instituição marcar presença, na capital do país, a partir do segundo semestre do ano em curso” – assegurou o Reitor da Universidade Católica de Moçambique. Com duas décadas de existência, a UCM, uma das primeiras instituições de ensino superior privado em Moçambique, privilegiou na sua fase de implantação a abertura de unidades orgânicas nas províncias do centro e norte do país, outrora desfavorecidas ao acesso do ensino superior que se encontrava concentrado apenas em Maputo (sul). Gratidão ao Hospital Central da Beira e à Cornelder de Moçambique Na referida cerimónia de graduação de Licenciados e Mestres formados pela Faculdade de Economia e Gestão, Faculdade de Ciências de Súde e o Instituto de Educação a Distância da Universidade Católica de Moçambique, o respectivo Reitor, Prof. Doutor Padre Alberto Ferreira transmitiu mensagem de gratidão aos doadores de bolsas de estudo, aos benfeitores e as mulheres e homens de boa vontade que se preocupam com o desenvolvimento da instituição. Particular gratodão foi, na ocasião, transmitida ao Hospital Central da Beira (HCB) e à Cornelder de Moçambique (CdM), incluindo demais sectores que acolhem estudante para estágios.■ (Érica Chabane) "
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE.

quarta-feira, 10 de julho de 2019

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, HABITAÇÃO E RECURSOS HIDRICOS REUNE SEU CONSELHO COORDENADOR NA CIDADE DA BEIRA A PARTIR DE HOJE 10 DE JULHO ATÉ 12 DE JULHO SEXTA FEIRA, PARABENS EXCELENCIA MINISTRO ENGENHEIRO JOÃO OSVALDO MACHATINE!

"Beira hospeda CC do MOPHRH Beira (O Autarca) – A cidade da Beira é a partir amanhã, quartafeira (10JUL19) até a próxima sextafeira (12JUL19) hospedeira do Quinto Conselho Coordenador do Ministério das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos (MOPHRH). É o segundo conselho coordenador ministerial a decorrer na cidade da Beira no espaço de um mês, lembrando que o Ministério dos Transportes e Comunicações realizou o seu último conselho coordenador do presente ciclo governativo também nesta urbe, curiosamente nas mesmas datas (12/ 14) de Junho último. A escolha da Beira para a realização de encontros ministeriais do género transmite o sentido solidário do governo em relação a urbe e seus habitantes que sofreram duramente os efeiefeitos do ciclone tropical Idai. Analista na Beira comentou ao O Autarca a demanda de conselhos coordenadores ministeriais na urbe, afirmando que faz sentido a iniciativa do MOPHRH realizar a sua magna reunião nesta cidade, para onde destacou um gabinete específico para coordenar as actividades inerentes ao programa de recuperação pós ciclones tropicais Idai e Kenneth. Explicou que estando reunidos na Beira, os quadros do sector terão a oportunidade de sentir na “pele” o quão sofrimento que se viveu nesta cidade no dia 14 de Março último, quando a urbe foi “agredida” pela fúria dos ventos extremos. Foi, aliás, a mesma justificação apresentada pelo Ministro dos Transportes e Comunicações, Carlos Mesquita, quando do conselho coordenador do sector.■"
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE

terça-feira, 9 de julho de 2019

ANTÓNIO GUTERRES SECRETÁRIO GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS VEM À BEIRA PROVINCIA DE SOFALA MOÇAMBIQUE


“Sr. Guterres, mais uma vez, bem-vindo à Beira Beira (O Autarca) – Se em Outubro de 1998 quando António Guterres visitou pela primeira vez a cidade da Beira O Autarca tinha apenas quatro meses de existência, em Julho de 2019 período em que visita o “Chiveve” pela segunda vez O Autarca já somou 21 anos e um mês (10JUN19) e para Guterres apenas faltam semanas para completar o mesmo tempo. É, apenas, um entretanto, para introduzir que de forma alguma podiamos iniciar a actividade correspondente a presente semana que coincide com avinda à Beira do Secretário-Geral (SG) da Organização das Nações Unidas (ONU), de modo diferente a esta especial em que começamos com uma calorosa mensagem de saudação desejando ao ilustre visitante António Guterres boas vindas à nossa bela, simpática e acolhedora cidade portuária do Índico. Anima-nos, sobremaneira, o facto de Guterres ter expressado publicamente que ainda conserva afinidade para com a Beira, cidade que conheceu quando cá esteve em 1998, na altura ainda Primeiro-Ministro de Portugal. E, sobretudo, por não ter dado chance de perder a oportunidade de cá voltar no exercício do prestigiado cargo de Secretário-Geral das Nações Unidas, o primeiro cidadão lusófono a atingir esse patamar. Guterres estará novamente na cidade da Beira esta sexta-feira (12JUL19), para observar in-loco os danos causados à urbe pelo ciclone tropical Idai e conversar com as vítimas/sobreviventes daquela que representa uma das piores catástrofes ambientais vividas em África. Sr. Guterres, com toda honra e orgulho temos, mais uma vez, o prazer de desejar-lhe boas-vindas à Beira. Permaneça cá o tempo mais extenso que quiser e aproveite degustar da gastronomia local, com recomendação o camarão mais saboroso do mundo produzido no banco de Sofala e a nossa sugestão de cozinha mande já encomendar do Restaurante 2+1, no Maquinino, da dona Gita. Dispensa comentários. Estando na Beira, pela segunda vez, gostaría-mos também de sugerir a não perder a oportunidade de visitar o emblemático campo de golfe da Beira, na Ponta-Gêa, o local abençoado pelo saudoso e carismático Papa João Paulo II quando da sua visita a esta cidade e a Moçambique em 1988. E, se puder, tire mais uma hora e meia ou duas são razoáveis para deslocar-se (ida-e-volta) da Beira ao maravilhoso Parque Nacional da Gorongosa, um dos maiores exemplos mundiais de recuperação da vida selva-gem, para visitar espécies (flora e faunísticas) raras e as pessoas que sobreviveram a destruição causada pelo Idai. Sr. António Guterres, já deve existir quem está questionando-se porque tanta simpatia d’ O Autarca para consigo. É simples: As suas palavras tão contagiantes que transmitiste quando a nossa cidade da Beira foi severamente devastada pelo ciclone topical Idai, em 14 de Março último. Aos menos atentos, importa lembrar que, na circuns-tância, António Guterres transmitiu ao mundo a elevada estima que tem pela Beira, ao afirmar que, para ele, “é pessoalmente doloroso verificar a dimensão da calamidade na bonita cidade da Beira onde, no passado, fui tão bem e tão calorosamente recebido”. Aparentemente, são simples e poucas palavras, mas para quem é daqui (Beira) e gosta daqui (Beira) são bastante dignificantes, comoventes e contagiantes. Logo, Guterres tornou-se cidadão especial da Beirae dos cidadãos e instituições beirenses merece todo tratamento especial. Quanto a nós, se ainda podia existir dúvida alguma sobre o grau de consideração que o Secretário-Geral da ONU transporta dentro de si em relação a Beira, hoje esse sentimento já não tem razão de prevalecer, pois António Guterres foi curto e categórico na sua simpática e profunda afirmação em relação a esta urbe e seus habitantes.Temos a certeza de que a comunidade beirense,mesmo abatida pelo sofrimento causado pelo Idai, promete a António Guterres a mesma hospitalidade oferecida em de 1998, recordando que a sua presença na capital provincial de Sofala se já nessa altura transmitiu imenso or-gulho,desta vez transmitirá ainda mais.Tal como considerou o Vereador para área Institucional do Conselho Autárquico da Beira (CAB), José Manuel, afirmando e muito bem que a visita à esta cidade do Secretário Geral das Nações Unidas, António Guterres, é sem dúvidas uma grande honra, um grande prestígio e umgrande calor que ele vêem transmitir aos beirenses face a ocorrência do fenómeno catastrófico Idai que afectou sobremaneira a urbe, O Autarca subscreve integralmente o ditopela estrutura municipal local. E, subscrevemos, também, na totalidade, o que dis-se a seguir: “...Isso revela a preocupação das Nações Unidas, em particular da pessoa do Secretário-Geral. Será um momento de reafirmação da solidariedade internacional para com os beirenses que sofreram com o ciclone Idai. Ele terá a oportunidade de estar e conversar com as vítimas, acompanhar de perto o apoio que tem sido dado por outras nações, pelas organizações internacionais e aferir o grau da ajuda e das dificuldades que ainda enfrentamos”. A visita do Engenheiro, Político e Diplomata António Guterres, esta semana, à Moçambique, em particular à nossa bela, simpática, querida e acolhedora cidade da Beira, é sem dúvidas um dos principais assuntos de acualidade no mundo inteiro, mais uma razão pela qual O Autarca não podia ficar distraído. Trata-se de uma ocasião especialissima para a projecção da imagem da Beira no panorama mundial, considerando que o mundo inteiro estará de “olhos” postos e atento à nossa querida cidade e ao O Autarca compete a nobre responsabilidade de tornar-se o maior protagonista de toda cena, daí o presente exercício. Para quem não sabe ainda, a visita de António Guterres à cidade da Beira não escapará destaque em toda imprensa mundial. O facto de ser a primeira visita na qualidade de Secretário Geral das Nações Unidas e segunda na sua qualidade pessoal, associado ao interesse da visita que ocorre do rescaldo da passagem do ciclone tropical Idai que ameaçou o desaparecimento da Beira e a capacidade de sobrevivência da autarquia e seus autarcas, apimenta ainda mais o interesse global em relação a visita de Guterres à Beira. Oxa-lá, todos tenhamos o mesmo senso para não defraudar a expectativa e ocarinho do ilustre visitante. (Redacção). Parabéns Guterres, Moçambique não é apenas MaputoBeira (O Autarca) – O Secretário-Geral da ONU representa uma das mais importantes figuras do planeta que uma vez visitaram o país. E é das poucas que considera-se ter ousado romper a muralha paradigmática instituída no serviço protocolar do país, cujos visitantes dealto nível ficam limitados apenas a conhecer a capital, como se Moçambique fosse apenas Maputo. Guterres compara-se apenas ao Papa JP-II, Tony Blair e a Rainha da Espanha. (R)”

FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE.

segunda-feira, 1 de julho de 2019

HOTEL POLANA, MAPUTO MOÇAMBIQUE COMEMORA HOJE 97 ANOS, PARABENS AO HISTÓRICO HOTEL DA ÁFRICA AUSTRAL!

"Uma Data na História Por: João de Sousa 1 de Julho de 1922 … Hotel Polana Alfredo Pereira de Lima, no seu livro “Edifícios Históricos de Maputo” relata a história do homem que mais se debateu para que o Hotel Polana visse a luz do dia. Foi o coronel Alexandre Lopes Galvão, membro do Conselho de Turismo que na época dirigiu uma carta ao Governador Massano de Amorim pedindo autorização para negociar a construção dum hotel apto a receber personalidades importantes que visitavam a cidade de Lourenço Marques. Quando o Hotel Polana abriu as portas a 1 de Julho de 1922, após terem sido gastas 300 mil libras, o seu maior defensor escrevia numa carta a um amigo: “Se não fosse eu o Polana não existiria!” Quem assistiu à festa relata que foi definido como algo que não existia na Europa, pois todos os quartos tinham água aquecida, frigorifico, lavandaria electrónica, sistema de comunicações e outras mordomias. Volvidos todos estes anos o Hotel Polana continua a ser o ex-libris da cidade de Maputo, sendo hoje, não só uma unidade da indústria hoteleira, mas também um palco privilegiado para conferências e reuniões empresariais. Muitos negócios e parcerias já devem ter sido seladas nas suas salas. O hotel Polana, considerado um paraíso histórico e cultural e um local de encontro que oferece uma elegância e uma imponência únicas na região, recentemente renovado, é propriedade do Grupo Serena (Aga Khan). Foi inaugurado no dia 1 de Julho de 1922. Completa hoje os seus 97 anos de idade.■ "
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE

FILIPE JACINTO NYUSI PRESIDENTE DA REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE EFECTUA VISITA DE ESTADO A PORTUGAL

PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE FILIPE JACINTO NYUSI  ANUNCIOU HOJE A TVM TELEVISÃO DE MOÇAMBIQUE EFECTUA VISITA DE ESTADO A PORTUGAL TENDO ENCONTROS COM O PRESIDENTE DA REPUBLICA PORTUGUESA MARCELO REBELO DE SOUSA E COM O PRIMEIRO MINISTRO ANTONIO COSTA. SERÃO ASSINADOS 13 INSTRUMENTOS BILATERAIS ENTRE OS DOIS ESTADOS.

PORTO DA BEIRA CORNELDER AFIRMA QUE O PORTO ESTA OPERACIONAL IRÁ FAZER A SUA PROM=OÇÃO NOS PAISES VIZINHOS ZIMBABWE ZAMBIA E MALAWI. SEMPRE PREOCUPADA COM A RESPONSABILIDADE SOCIAL IRA TORNAR OPERACIONAL O BATELÃO DO BUZI

TVM TELEVISAO DE MOÇAMBIQUE NO SE NOTICIARIO DA MANHA E EM REPORTAGEM ANUNCIOU VARIAS INICIATIVAS DA CORNELDER QUER RELATIVAMENTE AO PORTO DA BEIRA QUE ESTA CEM POR CENTO OPERACIONAL, QUER AH RESPONSABILIDADE SOCIAL DE IR TORNAR OPERACIONAL O BATELÃO DO BÚZI QUE ESTA PARADO HA TRES MESES.