sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

LAM LINHAS AÉREAS DE MOÇAMBIQUE ADQUIREM 3 BOEING 737 NEXT GENERATION

"LAM encomenda três Boeing 737 Next Generation
altA LAM (Linhas Aéreas de Moçambique) já assinou o contrato de aquisição de três aviões Boeing 737 Next Generation, que vão começar a chegar à companhia, em Maputo, a partir do próximo ano, à cadência de um por ano.A contratatação foi anunciada pela administradora-delegada (CEO) da companhia, Marlene Mendes Manave, numa saudação aos passageiros publicada na revista de bordo da companhia, a “Índico”.A decisão foi tomada em meados de Novembro de 2013, escreve a administradora, especificando de seguida que “o plano de expansão da frota consiste na aquisição de três aeronaves novas do tipo Boeing 737 da nova geração, cuja entrega está prevista para 2015, 2016 e 2017, e cujo contrato foi já assinado com o fabricante”.
Marlene Manave refere-se ainda à integração de 15 novos pilotos, entre eles seis mulheres, no final de 2013, que foram formados em reconhecidas escolas da África do Sul e da Etiópia, e cuja formação se integra também no plano de expansão e crescimento da companhia.A LAM volta assim a integrar na sua frota aviões novos Boeing. A DETA, companhia aérea de Moçambique do tempo colonial, fundada em 1936, foi a primeira transportadora aérea de África a receber aviões Boeing 737-200, em 1970. Os quatro aparelhos chegaram ao aeroporto da capital moçambicana, então denominada Lourenço Marques, via Lisboa, idos directamente da fábrica da Boeing. O primeiro a ser entregue teve duas inaugurações, uma em Lisboa e outra em Moçambique.Mais tarde, em 1991, já depois da independência de Moçambique, a LAM, criada em 1980, que sucedeu à DETA e herdou todo o seu património, recebeu dois Boeing 737-300 novos directamente da fábrica nos EUA, que chegaram pintados já com as novas cores da empresa.
Devido à situação económica do País, no início da década de 90 os aviões novos foram devolvidos à empresa de leasing e, curiosamente, passaram para a frota da companhia portuguesa de voos não regulares Air Columbus, então em fase de expansão, mas que entrou em insolvência poucos meses depois.
Actualmente a LAM tem uma frota constituída por dois aviões Embraer 190 (94 passageiros) um Boeing 737-500 (116 passageiros), três Bombardier Q400 (74 passageiros) e um Embraer 145 (36 passageiros). Utiliza ainda aviões Embraer turbo-hélices da companhia associada MEX – Mozambique Express para aeroportos mais pequenos e de menor tráfego.Por imposição da União Europeia e face a incumprimentos de normas internacionais e constrangimentos legislativos por parte da Autoridade Nacional de Aviação Civil de Moçambique, as companhias aéreas moçambicanas estão impedidas de voar para a Europa, o que naturalmente também se aplica à LAM.Em termos do continente africano a presidente da companhia moçambicana, Marlene Mavene, foi reeleita no final do ano passado para a presidência da Associação das Companhias Aéreas da África Austral (AASA), na Assembleia-Geral que se realizou na Cidade do Cabo (África do Sul), em Outubro.A companhia, também no ano passado revalidou a certificação IOSA – IATA Operacional Safety Audit, que ocorrem de dois em anos, no âmbito das normas que obrigam as companhias que estão filiadas na IATA, sistema ao qual a LAM aderiu em 2007.Em 2012, a União Africana, na sua Declaração de Abuja, adoptou a IOSA como a melhor medida de segurança para os estados membros."
FONTE: RÁDIO MOÇAMBIQUE.

ZIMBABWE, HARARE, ISTO TAMBÉM É O ZIMBABWE, HARARE, VISITA IMPERDIVEL!



FACIM MOÇAMBIQUE FEIRA INTERNACIONAL COMEMORA 50 ANOS ESTE ANO

"Moçambique celebra jubileu da FACIM
alt
A Feira Internacional de Maputo (FACIM) realiza este ano a sua 50ª edição, momento que os responsáveis do certame pretendem celebrar com pompa e circunstância e sublinhar a importância deste evento para a divulgação das potencialidades economicas do país.A primeira edição da FACIM – inicialmente designada Feira Agro-Pecuária, Comercial e Industrial de Moçambique – decorreu a 24 de Julho de 1964, e na altura servia como uma plataforma destinada a promoção do potencial produtivo do país e momento de demonstração da vitalidade da economia nesse período.Normalmente, a FACIM decorre todos os anos na semana entre final de Agosto a início de Setembro, mas este ano as actividades ligadas ao evento iniciam em Fevereiro e irão culminar com a realização da própria feira de 25 a 31 de Agosto.O lançamento das celebrações dos 50 anos da FACIM irá acontecer no próximo dia 3 de Fevereiro – feriado nacional por ocasião do Dia dos Heróis Moçambicanos – através dum concerto musical, segundo disse hoje o Presidente do Conselho de Administração do Instituto para a Promoção das Exportações (IPEX), João Macarringue.Falando em conferência de imprensa realizada em Ricathla, o novo recinto da FACIM localizado no distrito de Marracuene, província de Maputo, Macarringue disse que, desde 1964, esta feira nunca falhou uma única edição.“Com a proclamação da independência, a FACIM assumiu-se como vanguarda na promoção do potencial produtivo de Moçambique e teve o condão de escrever a história de Moçambique ao longo deste país”, disse a fonte, falando em conferência de imprensa destinada a abordar as celebrações dos 50 anos da feira.“Falar da FACIM é falar daquilo que é o potencial produtivo do país, é falar do pulsar da economia do país. Dai que a FACIM mexe com todos, nacionais e internacionais, quando chega a altura da FACIM todo mundo converge em torno desta grande feira, que é a montra maior do nosso país”, acrescentou.No período de Fevereiro até a Agosto, o IPEX prevê a realização de feiras e exposições nas províncias do país visando divulgar as suas potencialidades, bem como incentivar as empresas locais a participarem na 50ª edição da feira.Nestas exposições, serão seleccionadas, através de concursos, as empresas que irão formar parte da montra maior de Moçambique a ser aberta durante a feira.Além disso, a organização pretende realizar seminários e palestras nas províncias centrais de Sofala, Tete e Zambézia, bem como em Nampula, no norte, visando a divulgação de instrumentos recentemente aprovados para facilitar o ambiente de negócios e do comércio em Moçambique.Já no período da própria feira, serão realizadas as actividades já tradicionais relacionadas com a premiação dos melhores exportadores de 2013; premiação de melhores de expositores nacionais e estrangeiros; bem como a distinção de figuras relacionadas com a feira.
(RM/AIM)"
FONTE RÁDIO MOÇAMBIQUE

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

MAPUTO E LUANDA SEGUNDO EIU ECONOMIST INTELLIGENCE UNIT SÃO DUAS DAS TRINTA CIDADES CIDADES AFRICANAS MAIS APELATIVAS PARA NEGÓCIOS

"Maputo e Luanda entre as 30 cidades africanas mais apelativas para novos negócios - EIU
alt
A Economist Intelligence Unit, a unidade de pesquisa económica da revista britânica The Economist, considera que Maputo e Luanda são duas das trinta cidades africanas mais apelativas para novos negócios, sendo as únicas nos países que falam a língua portuguesa.O relatório 'Growing Africa Cities 2013' defende que "as empresas que querem expandir-se para África devem concentrar a sua estratégia onde o crescimento e a demografia são mais encorajadores - nas principais cidades" e sublinha que os habitantes destas cidades gastam quase o dobro da média nacional dos seus países.No relatório, que sublinha a necessidade de as empresas terem uma estratégia centrada na cidade onde vão fazer negócios e não numa análise mais geral sobre a média do país, lê-se que uma sondagem recente feita pela EIU concluiu que "entre as 217 multinacionais sediadas em 45 países, a expansão para África é 'prioritária' para dois terços delas durante a próxima década".O continente, lê-se no documento, enfrenta ainda problemas graves, sendo destacados as "más estradas, subornos e corrupção, controlo de fronteiras deficiente, redes ferroviárias inadequadas, mão-de-obra pouco qualificada, portos congestionados, burocracia e aeroportos pouco convidativos".Por outro lado, o panorama africano está a mudar: o continente está a afastar-se de uma visão centrada apenas em matérias-primas e a oferecer novas oportunidades de negócios, como a urbanização, a melhoria dos sistemas de governação, o foco no comércio em vez de apenas em ajuda internacional, o aumento da utilização da tecnologia, com 500 mil milhões de subscritores de telemóveis e o investimento em infraestruturas.
(RM/Lusa)"

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

ZIMBABWE, HARARE, AEP ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL MISSÃO EMPRESARIAL RECEBIDA EM ENCONTRO OFICIAL E EMPRESARIAL NA EMBAIXADA DE PORTUGAL, FOI UM SUCESSO!

PRESIDENTE DA ZNCC BUSINESS HOUSE, CÂMARA DE COMÉRCIO DO ZIMBABWE, SENHOR HLANGANISO MATANGAIDZE, PRESENTE NA RECEPÇÃO DA EMBAIXADA DE PORTUGAL EM HARARE, OFERECIDA PELO ENCARREGADO DE NEGÓCIOS RICARDO PRACANA À MISSÃO EMPRESARIAL PORTUGUESA.
A PRIMEIRA MISSAO EMPRESARIAL PORTUGUESA E DA AEP AO ZIMBABWE COM A PRESENÇA DE REPRESENTANTES DO GOVERNO DO ZIMBABWE E EMPRESARIOS, NOMEADAMENTE VICE / MINISTRO DOS NEGOCIOS ESTRANGEIROS HON. CHRISTOPHER H. MUTSVANGWA M.P., RAPHAEL TAYWERERA FARANISI, DIRECTOR DO MINIST]ERIO DOS NEGOCIOS ESTRANGEIROS,KEN CHIKONZO, CEO DA ZNCC BUSINESS HOUSE, CAMARA DE COM]ERCIO DO ZIMBABWE, RECEBIDOS NA EMBAIXADA DE PORTUGAL EM HARARE A 28 DE JANEIRO DE 2014.
A CONVERSA, OS NEGOCIOS , A HISTORIA, FORAM TEMAS, EM MUITO BOM AMBIENTE E DURANTE VARIAS HORAS DE CONVIVIO.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

MOÇAMBIQUE SESSÃO DO CONSELHO DE MINISTROS DE 28 DE JANEIRO DE 2014

"O Conselho de Ministros realizou, no dia 28 de Janeiro de 2014, a sua 1.ª Sessão
Ordinária.Nesta Sessão, o Governo apreciou e aprovou:
O Decreto que fixa, sob proposta da Comissão Nacional de Eleições, o dia 8
de Fevereiro de 2014 para a realização da eleição do Presidente do
Conselho Municipal e dos Membros da Assembleia Municipal das Quartas
Eleições Autárquicas no Município de Guruè.

O Decreto que atribui competências aos titulares dos órgãos e instituições do
Estado para procederem as alterações orçamentais de dotações orçamentais
em cada nível, no âmbito da administração do Orçamento do Estado para
2014.

O Decreto que reajusta os Escalões do Subsídio Básico a vigorar no ano de
2014, para os beneficiários do Programa Subsídio Social Básico.
O reajustamento visa elevar os níveis de consumo dos agregados familiares
beneficiários, de modo a que se aproxima de um consumo alimentar diário de
uma vida mais digna.

 


A Resolução que ratifica o Acordo de Crédito celebrado entre o Governo da
República de Moçambique e o Fundo do Kuwait, no dia 24 de Dezembro de
2013, em Maputo, no montante de USD 10.2 milhões, destinado ao
financiamento do Projecto de Electrificação Rural da Província do Niassa.

A Resolução que ratifica o Acordo de Crédito celebrado entre o Governo da
República de Moçambique e a Agência Japonesa de Cooperação
Internacional (JICA), no dia 13 de Janeiro de 2014, em Maputo, no montante
de ¥ 17.269.000.000,00, o equivalente a USD 174,0 milhões, destinado ao
financiamento do Projecto de Ciclo Combinado de Energia.



A Resolução que determina que Rosário Mualeia cessa as funções de
Presidente do Conselho de Administração da empresa Portos e Caminhos de
Ferro de Moçambique, EP (CFM, EP).


A Resolução que nomeia Victor Pedro Gomes para cargo de Presidente do Conselho de Administração da empresa Portos e Caminhos de Ferro de
Moçambique, EP (CFM, EP).

O Conselho Ministros apreciou, ainda, as informações sobre:
O programa das Cerimónias de Galardoações no dia 3 de Fevereiro de 2014.

O Dialogo entre o Governo e a Renamo."
FONTE PORTAL DO GOVERNO DE MOÇAMBIQUE.

MAPUTO CAPITAL DE MOÇAMBIQUE VISTAS PARCIAIS FOTOS TIRADAS A 27 DE JANEIRO DE 2014


segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

NACALA - A - VELHA NOVO TERMINAL PORTUÁRIO MULTIUSO ENTRA EM FUNCIONAMENTO ESTE ANO

"Baía de Nacala: Obras do terminal portuário a bom rítmo
altO terminal portuário multiuso em construção na baía de Nacala, província de Nampula, entra em funcionamento este ano. O empreendimento, orçado em cerca de mil milhões de dólares norte-americanos, terá capacidade para armazenar 1450 milhão de toneladas do carvão da bacia carbonífera de Moatize, em Tete.Neste momento estão a ser criadas condições logísticas, procedimentos que vão concorrer para que Moçambique se torne uma referência internacional no ramo dos recursos naturais.O nível de execução da empreitada que emprega neste momento um total de 4348 operários afectos em vários sectores, incluindo trabalhadores da área burocrática, situa-se em 42 por cento, segundo escreve o jornal Notícias.A mão-de-obra vai chegar aos cinco mil trabalhadores nos próximos tempos, medida que visa imprimir celeridade nos trabalhos para garantir o cumprimento dos prazos.
Neste momento as obras estão focalizadas na construção do virador de vagões por uma empresa chinesa de reconhecida capacidade a nível internacional. Já está também em construção o pontão que vai assegurar a acostagem de navios de grande calado com capacidade de carga de mais de 200 mil toneladas.A Vale Moçambique opera a mina de Moatize desde 2011 com uma capacidade de produção de 11 milhões de toneladas por ano que se espera venha a atingir o dobro do volume actual, pois decorrem a bom ritmo as obras de expansão do empreendimento.
Para garantir uma alternativa logística, a Vale Moçambique concebeu um sistema ferroviário com um total de 912 quilómetros de extensão, dos quais 684 quilómetros em processo de reabilitação e os restantes em fase de construção.O Ministro dos Transportes e Comunicações, Gabriel Muthisse, disse, recentemente, ter ficado impressionado com o nível de trabalhos no terminal multiuso de Nacala-a-Velha que, segundo ele, espelha o compromisso do Governo de avançar na componente de infra-estruturação.“Estamos a ser uma referência a nível internacional no contexto de infra-estruturas de transporte por terra e mar de mercadorias e nos próximos dias vamos observar questões ligadas ao padrão de gestão e eficiência dessas infra-estruturas”, disse Gabriel Muthisse."
FONTE: RÁDIO MOÇAMBIQUE.

domingo, 26 de janeiro de 2014

JAPÃO MOÇAMBIQUE E O APOIO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AOS PROJECTOS DE GÁS

"Política económica japonesa favorece investimentos em Moçambique – diz jornal indiano
altA grande liquidez das instituições financeiras japonesas está a ajudar Moçambique, não só através do investimento directo, mas também pela ajuda que dá aos bancos da região, nomeadamente na Índia, noticia sexta-feira o jornal indiano 'Economic Times'.Em dezembro de 2013, quando a Companhia Internacional de Petróleo da Índia (ONGC Videsh), quis ir ao mercado buscar cinco mil milhões de dólares para financiar operações em Moçambique, três bancos japoneses ganharam o concurso, mas as condições eram tão favoráveis para a empresa indiana que a decisão foi aumentar o montante do empréstimo em 750 milhões de dólares, fazendo com que mais seis bancos, entre eles a Societé Generale o Bank of Nova Scotia, participassem na iniciativa.Os bancos japoneses sempre foram tradicionais parceiros das empresas indianas, mas o que surpreende, desta vez, é a agressividade com que procuram os negócios e as condições favoráveis que oferecem, como foi o caso nos negócios em Moçambique, que envolveram a compra de 10% da operação local da Videocon por 2,47 mil milhões de dólares, e da Anadarko Petroleum, por 2,64 mil milhões de dólares, ambos no ano passado."São um dos nossos parceiros mais sólidos. A mensagem política do governo japonês parece focar-se em cimentar uma relação especial entre os dois lados", disse ao 'Economic Times' o director financeiro da petrolífera indiana, S.P. Garg.
No final do ano passado, o Japão prometeu investir 672 milhões de dólares nos próximos cinco anos em projectos de desenvolvimento em Moçambique para garantir o fornecimento de gás natural, um passo que muitos entenderam como uma jogada política para contrabalançar a influência da China nos mercados africanos produtores de energia, de acordo com a análise do jornal indiano.Moçambique, onde foram feitas as maiores descobertas de gás natural dos últimos tempos, é um parceiro natural do Japão, o maior importador de gás natural do mundo e que está agressivamente a procurar fontes de energia alternativas depois do acidente nuclear em Fukushima.A empresa japonesa 'Chiyoda' candidatou-se a um contrato de 20 mil milhões de dólares para construir unidades de exploração de gás natural em Moçambique, que passaria a ser o maior exportador de gás natural a seguir a Ras Laffan, no Qatar.
(RM/Lusa)"
FONTE RÁDIO MOÇAMBIQUE.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

AEP ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL MISSÃO EMPRESARIAL VISITA A BEIRA, SOFALA DE 30 DE JANEIRO A 1 DE FEVEREIRO, COMUNICADO DO CONSULADO GERAL DE PORTUGAL NA BEIRA

"Cara Comunidade,
 
Tenho a honra de levar ao conhecimento de V.Exas. que de 30 de janeiro a 01 de fevereiro próximos, deslocar-se-à á cidade da Beira uma Missão Empresarial da AEP-Associação Empresarial de Portugal composta por várias Empresas, conforme a descrição, ramo de atividade e demais informações sobre o perfil das mesmas, que junto se enviam em ficheiros anexos, cujo programa empresarial e agendamento de reuniões bilaterais com as Empresas locais está a ser organizado e coordenado pela ACB-Associação Comercial da Beira.
 
Nesta conformidade, sendo o objetivo daquela Missão Empresarial efetuar reuniões bilaterais nas próprias Empresas locais nos dias 31 de janeiro (todo o dia) e, se possível, na manhã do dia 1 de fevereiro, informo V.Exas. que para agendamento de reuniões ou encontros com aqueles empresários, deverão contactar para o efeito a Sra. Dra. Beatriz de Sousa, com telef. 00258 82 502 2390, e o e.mail  acbsofala@gmail.com .
 
Com os melhores cumprimentos,
 
Maria Alice Ribeiro
Vice-Cônsul, g.i.
 
Rua António Enes, 148/149 2º andar
Beira - Moçambique
tel. 00 258 23 32 60 76
fax 00 258 23 32 46 88
 

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

OBAMA PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA REUNE NA CASA BRANCA EM CIMEIRA 47 PAISES AFRICANOS DE 5 a 6 DE AGOSTO DE 2014, ENTRE OS CONVIDADOS ESTÃO QUATRO PAISES DA CPLP: ANGOLA, CABO VERDE, MOÇAMBIQUE E SÃO TOMÉ E PRINCIPE.

"quarta-feira, 22 janeiro, 2014. 15:59 UTC                   

Notícias / Estados Unidos        

Obama convida quatro países de língua portuguesa para cimeira com África

O evento destacará o compromisso dos Estados Unidos com o continente africano e o desenvolvimento da democracia.

x
               
Redacção VOA
O Presidente dos Estados Unidos Barack Obama convidou quatro dos cinco países africanos de língua portuguesa para a cimeira que vai reunir 47 líderes de África  a na Casa Branca a 5 e 6 de Agosto.
Guiné-Bissau, Sudão,  Egipto e Madagáscar não foram convidados devido à situação política em que vivem, enquanto  Zimbabwe também ficou de fora devido às sanções impostas.

A cimeira "fará avançar os objectivos da administração em matéria de comércio e investimento em África e destacará o compromisso dos Estados Unidos com o continente africano, o desenvolvimento da democracia e dos seus habitantes", declarou o porta-voz de Obama, Jay Carney.

A ideia  surgiu durante a viagem a África realizada por Barack Obama em Junho do ano passado.

Outro porta-voz da Casa Branca Jonathan Lalley indicou que os Estados Unidos convidaram os líderes de todos os países africanos, "excepto aqueles que não têm boas relações com os Estados Unidos e estão suspensos da União Africana".

A presidente da comissão União Africana Nkosazana Dlamini-Zuma também foi convidada para participar na cimeira"
FONTE: VOZ DA AMÉRICA, VOA MOÇAMBIQUE.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

PORTO DA BEIRA SOFALA NECESSITA URGENTE DE CAIS ESPECIALIZADO EM CARVÃO

"Carvão: Urgente cais especializado na Beira
altA empresa pública Caminhos de Ferro de Moçambique-Centro (CFM-Centro), considera urgente a construção de um cais especializado somente para o manuseamento de carvão cujos volumes estão a registar um crescimento assinalável.A CFM-Centro diz que face as limitações do cais de carvão do Porto de Beira, já não é possível transportar mais, pois a capacidade instalada é de apenas cinco milhões de toneladas e com o apoio de outros cais abre-se o espaço para mais 600 mil toneladas.Cândido Jone, director executivo da CFM-Centro, é citado pelo jornal “Noticias”, como tendo dito que a empresa está a trabalhar no sentido de o sistema ferroviário da Beira, formado pelas linhas de Sena e de Machipanda, escoarem cerca de 80 por cento do volume global de carga, com destaque para o carvão mineral de Tete.
Para o presente ano as projecções da via apontam para o escoamento de 5,6 milhões de toneladas somente do carvão, das quais 3,7 da companhia brasileira Vale, 1,3 da australiana Rio Tinto e 500 mil da operadora indiana Jindal, exceptuando as 100 mil toneladas das minas de Moatize que serão transportadas por via rodoviária.No total, o transporte desse minério atingiu no ano passado pela Linha de Sena 3,7 milhões de toneladas.
Leia aqui: CFM pretende transportar parte do carvão por estrada
Numa primeira fase, segundo Jone, estão em curso obras para o aumento da capacidade da Linha de Sena em todo o trajecto de 575 km entre o Porto da Beira e a vila carbonífera de Moatize, incluindo o ramal Inhamitanga/Marromeu de 6,5 para 20 milhões de toneladas por ano até Fevereiro de 2015.
O director revelou que as negociações visando captar financiamentos para a reabilitação da Linha de Machipanda encontram-se numa fase bastante avançada. Esta via reintroduziu no ano passado o transporte de carga da Beira para a Zâmbia, depois de décadas de uma completa interrupção.Ainda no ano passado voltou a intensificar-se o transporte de mercadorias para o Zimbabwe graças às obras de melhoramento da ferrovia em toda a sua extensão de 317 km entre Beira e Machipanda, tendo reduzido substancialmente o então crónico problema de descarrilamentos.o director executivo dos CFM-Centro, Cândido Jone, da carga que se encontra no Porto da Beira, principalmente para o interior e países vizinhos, 80 por cento deveria ser transportada via ferroviária e os restantes 20 através do sistema rodoviário, cujo cenário inverteu-se nos últimos anos com a concessão do Sistema Ferroviário da Beira.“Antes do sistema dessa concessão nós manuseávamos no transporte ferroviário da carga em trânsito da Beira para Zimbabwe 700 mil a um milhão de toneladas por ano, mas durante a vigência do contrato com a extinta Companhia Caminhos de Ferro da Beira (CCFB) as cargas começaram praticamente a cair”, disse.
Nessa altura, segundo Jone, chegou-se a manusear cerca de 150 mil toneladas por ano, o que significa que muitos clientes fugiram do sistema ferroviário para o rodoviário”, precisou Jone.Tal revês deve-se à má prestação de serviços porque não havia vagões nem locomotivas e a manutenção da via, principalmente de Machipanda, começou a degradar-se.Neste momento a empresa está a trabalhar para recuperar, no mais curto espaço de tempo, a carga que vem sendo manuseada no Porto da Beira e que chega àquele recinto portuário por via rodoviária é uma das maiores apostas da Empresa Pública Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique-Centro.
(RM/AIM)"
FONTE: RÁDIO MOÇAMBIQUE

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

NACALA HOJE É NOTICIA: AEROPORTO TVM TELEVISÃO DE MOÇAMBIQUE DEU ESTA MANHÂ UMA REPORTAGEM E RÁDIO MOÇAMBIQUE NO INICIO DA TARDE

A TVM  TELEVISÃO DE MOÇAMBIQUE EM SERVIÇO DE REPORTAGEM SOBRE O AEROPORTO DE NACALA REFERIU QUE A EXPERIMENTAÇÃO OPERACIONAL TERÁ INICIO DENTRO DE DUAS SEMANAS ENTRE OUTRAS FASES DE FINALIZAÇÃO DAS OBRAS.


"Porto de Nacala: Quatro anos para ser de dimensão mundial
Nacala porto contentores
O porto de Nacala, na província de Nampula, vai se transformar nos próximos quatro anos numa infra-estrutura económica de referência no contexto internacional após a conclusão das obras em curso avaliadas em 300 milhões de dólares norte-americanos, visando elevar para seis milhões de toneladas de carga geral e 750 mil toneladas anuais de mercadoria contentorizada, respectivamente, segundo anunciou o ministro dos Transportes e Comunicações, Gabriel Mutisse.No final de uma visita de trabalho efectuada há dias àquele importante empreendimento económico cujos operadores perspectivam manusear no presente ano cerca de dois milhões de toneladas de carga geral e cem mil contentorizada, o governante disse ser imperioso olhar para o desenvolvimento económico que o mundo no geral tem vindo a registar nos últimos tempos e de uma forma particular o continente africano, que tem havido cada vez mais necessidade de assegurar pontos estratégicos para escoamento da sua produção.Salientou que é preciso olhar com ambição a necessidade de melhorar os níveis de competitividade e eficiência do Porto de Nacala para atrair mercadorias diversas de países da região ao nível do continente em particular da República Democrática do Congo, Malawi e da Zâmbia que saem para o mar através de outros portos apesar de acarretar custos consideráveis de transporte para os operadores.
As obras de transformação do Porto de Nacala que contam com o co-financiamento do Governo e do Japão consistem essencialmente em melhorar as condições de segurança de atracação de navios de grande calado, do reforço e modernização dos equipamentos de manuseamento de cargas. Por outro lado criar condições seguras para o aprovisionamento transitório de mercadorias destinadas a exportação e importadas no recinto portuário.Visivelmente preocupado com a melhoria da eficiência do Porto de Nacala, Gabriel Mutisse recomendou aos gestores públicos e privados daquele empreendimento a fazer o levantamento dos pontos em que ele é relativamente fraco quando comparado aos restantes ao nível da região do continente.
No seu entender esse exercício concorre para atacar os pontos fracos identificados como constrangedores nas operações portuárias. Recomendou que após ultrapassar as barreiras os resultados obtidos em termos de eficiência e competitividade, devem ser publicitados, pois esse exercício estimula mais investimentos do sector privado no que tange sobretudo a preferência pelos portos nacionais e em particular o de Nacala.Por outro lado Gabriel Mutisse entende que é importante que os mecanismos de coordenação entre os operadores do porto e das Alfândegas sejam mais flexíveis, pois o que constatou do diálogo com os mesmos, o relativo atraso que se regista sobretudo no embarque de mercadorias no porto aparentemente resulta da falta de diálogo entre aqueles actores visando suplantar as suas diferenças.“Temos que dialogar constantemente para que os problemas de eficiência de uma instituição não se repercutam no nosso desempenho. Dialoguem para remover as barreiras que emperram o eficiente funcionamento do porto” – instou Mutisse aos gestores da Portos do Norte que opera o porto e as Alfândegas.A supressão das barreiras supracitadas vai concorrer certamente para o crescimento contínuo da capacidade de manuseamento do porto, mantendo deste modo a perspectivas de cumprimento da meta do ano que é de dois milhões de toneladas de carga diversa.Soubemos na ocasião que as obras de reabilitação e ampliação do Porto de Nacala regista algum atraso na sua execução e de acordo com Gabriel Mutisse o facto se deve a alguns problemas administrativos burocráticos vividos pela agência de cooperação internacional japonesa JICA que o governante moçambicano instou para que sejam removidos, privilegiando para tal o diálogo constante com as autoridades locais caso esse seja o motivo."
FONTE RÁDIO MOÇAMBIQUE.

domingo, 19 de janeiro de 2014

GORONGOSA EM COIMBRA CONVIVIO E ALMOÇO A 15 DE FEVEREIRO SABADO HOTEL D.LUIS ABERTO À PARTICIPAÇÃO POR INSCRIÇÕES


 "O Grupo de Amigos da Gorongosa (GAG) vai realizar na cidade de Coimbra no dia 15 de Fevereiro (Sábado) o seu almoço-convívio anual.

O evento vai ter lugar no Hotel D. Luís, localizado num dos lugares mais belos da margem esquerda do rio Mondego.

Todos os amigos da Gorongosa que queiram participar nesta manifestação de amizade ao Parque Nacional da Gorongosa podem ver aqui como o fazer:
http://amigosdagorongosa.blogspot.pt/

No dia 14 de Fevereiro a Universidade de Coimbra vai fazer um “Gorongosa Open Day” na Academia e o Coimbra Shopping vai fazer uma exposição sobre a Gorongosa de 14 a 28 de Fevereiro!

 
" CARTA/CIRCULAR Nº 1/8º ANIVº
         ASSUNTO: ALMOÇO-CONVÍVIO DE COMEMORAÇÃO DO 8º ANIVERSÁRIO DO GAG
 
         Estimados Amigos!
         O Núcleo Coordenador do Grupo de Amigos da Gorongosa  (GAG),  tem o prazer de  anunciar que vai realizar, a 15 de Fevereiro próximo (sábado), o  almoço-convívio anual  comemorativo do seu 8º Aniversário.
       O evento vai ter lugar em Coimbra, no Hotel D. Luís,  localizado num dos lugares mais belos da margem  esquerda do rio Mondego  de onde se desfruta a cidade num panorama de indescritível beleza!
        Pela primeira vez  o nosso almoço anual é feito fora de Lisboa, facto que  foi influenciado pelo desejo e intervenção do Snr. Greg Carr , no decorrer do almoço-convívio do 7º aniversário do GAG realizado a 2 de Março de 2013,  onde manifestou   vivo interesse em que futuros almoços fossem igualmente feitos não só em Lisboa, mas também no centro, norte e sul do país.
        A escolha de Coimbra para o almoço de 2014, pretende potenciar a feliz designação de “Dia da Gorongosa “ que a Universidade de Coimbra escolheu para designar a cerimónia a 14 de Fevereiro próximo, aquando da assinatura do acordo de parceria entre o Parque Nacional da Gorongosa ( PNG ) e a Universidade de Coimbra.
 
Procuramos assim, a exemplo de outros anos, juntar e conviver com diversos amigos, unidos pelo sentimento comum do gosto da Natureza e defesa da fauna bravia, com particular detaque para o PN da Gorongosa .
        O Grupo de Amigos da Gorongosa ( GAG ) congratula-se com mais esta iniciativa dos responsáveis do PNG, visando cumprir e reforçar o  programa de restauração do Parque, em curso desde 2005 . Este programa , que é um marco histórico da defesa da fauna bravia em Africa e no caso concreto em Moçambique, envolve o entusiasmo de uma dedicada equipe e um investimento considerável do filantropo Sr Greg Carr, que em conjunto com o Governo de Moçambique, não poupam esforços na recuperação do fantástico “ Santuário Bravio “ que é o PNG.
Todos os anos o GAG tem participado nestes eventos de promoção e divulgação do PNG, normalmente na BTL, mas desta vez em Coimbra, pelos motivos referidos. Assim, o GAG associa-se às partes envolvidas e organiza o seu almoço-convívio na data seguinte à assinatura do acordo, proporcionando deste modo uma saudável  confraternização  entre os moçambicanos que integram a comitiva  do PNG, os seus anfitriões da UC e os  Amigos da Gorongosa que  marcarão presença.
        Para quem ainda não está familiarizado com o  GAG, nomeadamente sobre a sua história,  objectivos, quem coordena o mesmo, convívios anteriores, etc., deixamos AQUI  o Link de acesso ao nosso Blog, onde podem ficar esclarecidos. A partir deste Blog podem aceder a outros sítios da Net, nomeadamente à página interactiva do GAG no Facebook e aos diversos  sítios do PNG.
     As inscrições para o almoço-convívio ficam desde já abertas e prolongar-se-ão até ao dia 7 de Fevereiro próximo, devendo para o efeito seguir as indicações do “Boletim de Inscrição” constante do anexo. Findo este prazo  e até à véspera do almoço, aceitar-se-ão inscrições condicionadas às vagas existentes e acrescidas de 20%,  valor este que a direcção do Hotel exige por se tratar de presenças extra não previstas na data limite de inscrições.
      Se já participou em qualquer dos nossos almoços anuais, o seu nome está incluído na lista de membros do GAG.  Se é a primeira vez que participa, passará a ser um “AMIGO DA GORONGOSA” e como tal membro do GAG sem qualquer vínculo obrigatório visto que o GAG é um grupo informal.  Apenas desejamos ter o seu nome e respectivo endereço de e_Mail e/ou de telefone.
       Para inscrição ou pedido de mais esclarecimentos, agradecemos que se dirijam aos membros  do NC, cujos contactos constam do Boletim em anexo.
       SAUDAÇÕES AMIGAS DOS MEMBROS DO NC ACTIVO DO GAG!
                   Maria de S. José Santos, Graça Moreira, Vasco Galante, José Canelas de Sousa, Celestino Gonçalves,  Fernando Gil e Luís Fernandes
 
 FAVOR CONSULTAR O BOLETIM EM ANEXO QUE CONTÉM A SEGUINTE INFORMAÇÃO:
Página 1 -  Data, local e horário do almoço, indicação do Hotel, sua
      localização e   links de acesso às páginas e um vídeo na internet
.  Página 2 – Menu do almoço
.  Pagina 3 – Boletim de inscrição
.  Página 4 – Informações Complementares"
 

MOÇAMBIQUE NO GRUPO DOS PAISES DE ÁFRICA QUE MAIS ATRAIU INVESTIMENTO BANCÁRIO

"Moçambique foi o país que mais atraiu investimento bancário em África
Banco espirito santoMoçambique foi o país da África subsahariana que mais atraiu investimento bancário em 2013, valendo quase um terço dos 30 mil milhões de dólares, impulsionado por três acordos na área da energia, segundo um relatório da Reuters.De acordo com o relatório que analisa as maiores transacções bancárias na África subsahariana, compilado pela Reuters e citado na imprensa internacional, Moçambique, Nigéria e África do Sul foram as nações que mais atraíram os investidores internacionais.
De acordo com o director da Thomson Reuters para o Médio Oriente, África e Rússia, Nadim Najjar, só as comissões bancárias cobradas pelas instituições financeiras chegaram aos 354,5 milhões de dólares no ano passado, o que representa uma descida de 2% face às taxas aplicadas em 2012, sendo o valor mais baixo desde 2009.
O relatório afirma ainda, segundo alguma imprensa internacional financeira, que as fusões e aquisições (M&A - Mergers and Acquisitions) envolvendo empresas dos países da África subsahariana totalizaram 30,3 mil milhões de dólares, subindo 29% face aos valores do ano anterior, e mostram o valor mais alto na região desde 2010, ano em que chegaram aos 51,5 mil milhões de dólares.A Goldman Sachs, o Barclays e o Citi foram os que mais receberam em termos de comissões por assessoria nos negócios, enquanto o Bank of America Merrill Lynch foi o que mais ganhou com os negócios de fusões e aquisições, recebendo 5,5 mil milhões de dólares, de acordo com o relatório da Thomson Reuters.
(RM/Lusa)"
FONTE: RADIO MOÇAMBIQUE.

OPEP ORGANIZAÇÃO DOS PAISES EXPORTADORES DE PETRÓLEO FINANCIA MOÇAMBIQUE EM 34, 6 MILHÕES DE USD NA CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE ESTRADAS NOMEADAMENTE NO TROÇO DE 119 KM MOÇAMBIQUE ZÂMBIA

"Opep investe em infraestruturas em Moçambique
Cerca de USD 34,6 milhões deverão ser aplicados este 2014 em obras de construção de estradas ligando vários pontos de Moçambique a alguns países membros da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).O financiamento é do fundo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e destina-se a dar sequência a uma série de empreendimentos da área de estradas, cujas obras foram iniciadas em 2004.
O esforço visa permitir uma adequada circulação de viaturas com mercadorias diversas de Moçambique para a Zâmbia, num troço de 119 quilómetros de estradas. No global, o fundo da OPEP aprovou um investimento de cerca de USD 209,2 milhões para a viabilização de vários projectos de desenvolvimento socioeconómico de Moçambique para áreas de agricultura, energia, transportes e comunicações, educação, saúde e indústria.Refira-se que desde a sua criação, em 1976, o fundo da Opep para o Desenvolvimento Internacional contribui com pouco mais de USD 14,1 mil milhões em apoio a programas de desenvolvimento socioeconómico de países de baixo rendimento, incluindo Moçambique."
FONTE RÁDIO MOÇAMBIQUE.

sábado, 18 de janeiro de 2014

TETE ALBUFEIRA DE CAHORA BASSA VAI TER TRANSPORTE FLUVIAL COM EMBARCAÇÃO PRÓPRIA PARA TRANSPORTE DE PASSAGEIROS SERVINDO QUATRO DISTRITOS: CAHORA BASSA, MAGUÉ; MARÁVIA E ZUMBO

O DIÁRIO DE MOÇAMBIQUE QUE SE PUBLICA NA BEIRA ANUNCIOU HOJE SÁBADO 18 DE JANEIRO DE 2014 QUE O MINISTRO DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES GABRIEL MUTHISSE EM VISITA À PROVINCIA DE TETE DECLAROU QUE BREVEMENTE A ALBUFEIRA DE CAHORA BASSA SERÁ DOTADA DE MEIOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS  COM COMODIDADE E DE MERCADORIAS PERMITINDO ENCURTAR DISTANCIAS ENTRE OS DIVERSOS DISTRITOS DA PROVINCIA QUE PASSARÃO DE QUATRO DIAS PARA UM DIA.

CABO VERDE: ASSOMADA E TARRAFAL LIGADOS POR ASFALTO INAUGURAÇÃO É HOJE SÁBADO 18 DE JANEIRO DE 2014

"CORREIO DAS ILHAS

A SEMANA :

Assomada e Tarrafal ligados por asfalto 18 Janeiro 2014

O primeiro-ministro, José Maria Neves, inaugura este sábado, 18, as obras de reabilitação e asfaltagem da estrada Assomada/Tarrafal. São 26 km de asfalto, devidamente sinalizados, que vão dinamizar a economia da região e facilitar a circulação entre estes dois municípios de Santiago.

Assomada e Tarrafal ligados por asfalto
Foram investidos 1.300 mil contos na remoção da calçada existente, alargamento da plataforma, muros de suporte, drenagem das águas, sinalização e novo pavimento em betão betuminoso.
Mas a importância desta estrada vai além de uma via de acesso. A expectativa é de que ela venha a ter forte impacto sócio-económico em todos os sectores. Já durante a construção gerou vários postos de trabalho temporário, agora espera-se que atraia novos investidores para a região.De realçar também a comodidade e a rapidez com que agora se pode fazer a viagem Praia-Assomada-Tarrafal, este último um município com grandes potencialidades turísticas. Daí a ansiedade dos munícipes que esperam melhorias significativas na sua qualidade de vida.A concentração para este acto será em Achada Falcão, junto ao Hospital Regional Santa Rita Vieira. Segue-se o corte de fita, o descerramento da placa e uma carreata até Tarrafal. Lá os convidados serão brindados com discursos do presidente da Câmara, José Pedro Soares, e do PM, José Maria Neves.A reabilitação e asfaltagem desta estrada foi executada pela Monte Adriano, que ganhou seis grandes obras em Cabo Verde, no valor de 23,7 milhões de euros: estrada Nova Sintra/Furna, Achada/Laje, asfaltagem Assomada/Tarrafal, reabilitação da estrada Ribeira Brava/Juncalinho, e ainda vai construir 110 habitações de interesse social em Santa Cruz. Antes, esta empresa já tinha construído três barragens, no valor de 14 milhões de euros"
FONTE: JORNAL A SEMANA DE CABO VERDE.

BRASIL MOÇAMBIQUE: ESTUDANTES MOÇAMBICANOS ESTAGIAM NO BRASIL, UM GRUPO DE 50.

"Iniciação científica: Estudantes moçambicanos estagiam no Brasil
Um grupo de 50 estudantes de diferentes instituições de ensino superior e de investigação em Moçambique deixa Maputo próxima segunda-feira com destino ao Brasil, para um período de estágio de 60 dias em diferentes áreas científicas, no âmbito do programa de Iniciação Científica.O grupo, que sexta-feira se despediu do país, integra 33 estudantes do sexo masculino e 17 do sexo feminino.No Brasil, os estudantes farão estágios de Iniciação Científica na Universidade Federal de Sergipe, Universidade do Estado de Roraima, Universidade Federal de Alfenas e na Universidade São José de Campos, República Federativa do Brasil.

O estágio compreende as áreas de agricultura, recursos minerais, biotecnologia, saúde, tecnologias de informação e comunicação, ciências marinhas e pescas, sustentabilidade ambiental ciências sociais e humanas.

Falando na cerimónia de despedida, o Vice-Ministro moçambicano da Ciência e Tecnologia, Ratxide Gogo, disse que os estágios no Brasil possibilitam a realização de pesquisas atinentes aos cursos, estimulando a ligação da formação teórica às realidades da aplicação.

“É um projecto com enormes ganhos para os estudantes moçambicanos e para o país em geral, porque permite o desenvolvimento de investigação em laboratórios nas universidades brasileiras, o conhecimento das normas internacionais para a publicação de artigos científicos, entre outras actividades”, disse.Por seu turno, o Ministro Conselheiro da Embaixada do Brasil, Paulo Joppert, disse que o programa busca, no âmbito da Iniciação Científica e de acordo com as disponibilidades orçamentais do Ministério das Relações Exteriores e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), oferecer aos estudantes a possibilidade de realizar pesquisas em outro país, sob a orientação de um pesquisador qualificado.Cada estudante vai receber 400 reais mensais (cerca de 160 dólares norte-americanos) equivalente a bolsa de Iniciação Científica do governo de Brasil repassada aos estudantes moçambicanos para custear alimentação, alojamento e taxas (quando necessário).Os estudantes beneficiários frequentam cursos de Licenciatura nas áreas da Agronomia, Saúde, Ciências Naturais, Recursos Hídricos, Recursos Minerais, Engenharias e Tecnologias de Informação e Comunicação em diversas instituições de Ensino Superior e de Investigação, como a Universidade Eduardo Mondlane (UEM), a Universidade Pedagógica (UP), a Universidade São Tomás de Moçambique (USTM), a Universidade Politécnica (A politécnica), o Instituto Superior de Ciências de Saúde (ISCISA) e o Instituto Superior de Transportes e Comunicações (ISUTC).
(RM/AIM"
FONTE: RADIO MOÇAMBIQUE.

MUEDA TEM NOVA INSTITUIÇÃO BANCÁRIA MILLENNIUM BIM

A VILA autárquica de Mueda, extremo norte de Cabo Delgado, conta com mais um estabelecimento bancário, que abriu suas portas ao público desde a passada quarta-feira.Trata-se do banco Millenium bim que decidiu aproximar-se aos clientes que vivem no chamado “berço” da luta armada de libertação nacional que ainda se ressente da falta de instituições financeiras.O balcão do Millenium bim de Mueda foi inaugurado pela Secretária Permanente do governo provincial de Cabo Delgado, Lina Portugal, em representação do governador Eliseu Machava, e do presidente do Conselho Executivo daquela entidade bancária, Manuel Marecos Duarte. Com abertura daquele banco eleva-se para três o número de estabelecimentos bancários na vila de Mueda.Falando momentos após a inauguração do banco, o Presidente do Conselho Executivo do Millenium bim disse que a abertura do balcão de Mueda surge como resposta ao desafio lançado pelo governo provincial às instituições financeiras para se instalarem nos distritos de Cabo Delgado. De acordo com Manuel Duarte, a sua instituição acolheu a preocupação do executivo liderado por Eliseu Machava e foi para Mueda.“O Millenium bim não hesitou e respondeu sim ao desafio lançado. Partilho, pois, com todos vós, a grande satisfação e enorme entusiasmo que sentimos de estarmos hoje, aqui, a inaugurar este balcão. Para o banco, trata-se de um projecto com um impacto socioeconómico profundo junto da população e do sector empresarial e a possibilidade, uma vez mais, de contribuir para o desenvolvimento da economia e do sector financeiro, em especial, na região norte do país”-afirmou Duarte.Duarte fez saber que com abertura do banco, em Mueda, o Millenium bim passa a contar com uma rede de 158 balcões em todo o país e 10 na província de Cabo Delgado. “Ainda temos muito por fazer, queremos estar cada vez mais perto dos nossos clientes, abrindo mais balcões com serviços de ATMs, oferecendo cartões de débito, crédito e internet banking aos nossos clientes”, disse.Enquanto isso, Manuel Gamito, administrador do Millenium bim, em representação do presidente do Conselho de Administração, afirmou que a riqueza de uma terra não se restringe aos seus recurso naturais, “ a população do distrito de Mueda e distritos vizinhos, poderá usufruir do que o Millenium bim tem para oferecer e, juntos, encontrarem oportunidades para o desenvolvimento desta região e, certamente, para o crescimento da província de Cabo Delgado”.Lina Portugal, Secretária Permanente de Cabo Delgado, apelou aos gestores do Millenium bim para concederem aos clientes, em particular daquela região, créditos com taxas de juros apetecíveis. “Há necessidades de se desenharem linhas de financiamento com taxas de juro apetecíveis ao contexto em que este é instalado na zona rural”, referiu.Aquela governante afirmou que ainda há necessidade das instituições bancárias se instalarem nos distritos que o governo definiu como sendo pólos de desenvolvimento. Portugal afirmou que foi com este objectivo que o governo criou condições de extensão da rede nacional de energia eléctrica e de comunicações em todos os distritos.“A província ressente-se ainda da falta de serviços bancários em 10 distritos com potencial económico dos 17 que dispõe, em todos os distritos existem grandes produtores, agentes económicos com maior envolvimento na área comercial e um número satisfatório de pensionistas e funcionários públicos”-afirmou Lina Portugal.Entretanto, o administrador distrital de Mueda, Xavier Vansela, garantiu aos gestores do Millenium bim que Mueda não vai desiludir, “Mueda é o distrito com maior número de pensionistas, tem potencialidades na agricultura, sobretudo na produção de castanha de caju, o comércio está em alta, como podem ver, por falta de instituições bancárias a população guardava o dinheiro nas almofadas”.
JONAS WAZIR"
FONTE: JORNAL NOTICIAS DE MOÇAMBIQUE.