quarta-feira, 8 de julho de 2020

CFM CAMINHOS DE FERRO DE MOÇAMBIQUE CELEBRA 125 ANOS, PARABENS!

"CFM celebra 125 anos Locomotiva Paul Kruger, que a 8 de Julho 1895 fez a primeira ligação ferroviária entre Lourenço Marques (actual Maputo) e o Transvaal (actual Pretória) na República da África do Sul Beira (O Autarca) – A Empresa Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique celebra hoje, quarta-feira (08JUL2020) 125 anos. O Caminho de Ferro, símbolo incontornável de mudança e progresso, chegou a Moçambique em 1895. Foi a 8 de Julho 1895, que iniciou oficialmente a primeira ligação ferroviária entre Lourenço Marques (actual Maputo) e o Transvaal (actual Pretória) na República da África do Sul. A inauguração oficial da Linha férrea Lourenço Marques – Transval foi um acontecimento extraordinário para a época e marcou o início de uma nova era, pois permitiu que um dos grandes avanços tecnológicos da Revolução Industrial – o caminho de ferro chegasse a Moçambique. A primeira ligação ferroviária materializou a vocação geo-estratégica de Moçambique – como País provedor de serviços e permitiu a constituição da espinha dorsal de um sistema e de uma logística de transportes que se desenvolveu até aos nossos dias. O CFM está na origem da rede ferroviária que liga os portos moçambicanos ao hinterland. Para além da África do Sul, a rede ferroviária liga ao mar o Zimbabwe, o Malawi e até a Zâmbia. Em 1930, o CFM desenvolveu o transporte rodoviário, através da Camionagem Automóvel e, em 1936, introduziram e explorou o pioneiro transporte aéreo com a DETA. Curiosamente, esta linha área tinha como designação Linhas Aéreas de Moçambique, que viria a estar na origem da actual LAM. O CFM permitiu o desenvolvimento do País e está na base de criação das nossas cidades; estão na origem do progresso para o interior com o aparecimento de vilas ferroviárias e outras, que beneficiaram socialmente das suas facilidades – abastecimento de água e energia eléctrica -, que beneficiaram culturalmente e desportivamente, com os clubes ferroviários e com as actividades de índole associativa e de entretenimento. Os Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique permitiram, ainda, a afirmação de um novo País, que emergiu em 1975, após a saga libertadora do seu Povo. A importância geo-política e geo-estratégica de Moçambique, no quadro da Linha da Frente, da África Austral, a nível continental e no concerto das Nações também deriva e passa, sobretudo, pela importância dos Boeings da DETA - Pioneiro transporte aéreo, que viria a estar na origem da actual LAM seus portos e das suas infra-estruturas ferroviárias. Nos anos 80, o CFM iniciou a reabilitação de vias destruídas durante a guerra dos 16 anos, a transformação e modernização dos seus portos. Assim foi na Linha do Norte, ainda na década 80, tal aconteceu no Porto da Beira nos anos 90, ou na Linha do Limpopo, também nos anos 90. Linha férrea após reconstrução Existe uma nova dinâmica, impulsionnada pelo contexto de um país que cresce em termos económicos e que se agiganta perante os desafios do futuro.■ (Redacção/ GCI-CFM) Hoje vivemos um novo contexto: a Empresa e o sector empreenderam uma transformação estrutural. Operadores privados, nacionais e estrangeiros, dão o "

FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE



FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUEseu contributo ao sistema.

BANCO DE MOÇAMBIQUE PRORROGA MEDIDAS DE MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA COVID 19

"BM prorroga medidas de mitigação dos efeitos da covid-19 Maputo (O Autarca) – O Conselho de Administração do Banco de Moçambique aprovou a prorrogação, por um período de três meses, das medidas extraordinárias no âmbito do sistema de pagamentos para a mitigação dos efeitos da covid-19. A prorrogação entra em vigor a partir das zero horas da próxima sexta-feira (10JUL 2020), e está alinhada aos resultados da monitoria das medidas extraordinárias adoptadas pelo BM em Março de 2020 e com a prorrogação do Estado de EMergência, pelo Presidente da República. No entanto, o BM reitera que “a adopção das medidas ora prorrogadas não isenta o cumprimento das normas e procedimentos relativos à prevenção e ao combate ao branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo; e confere aos bancos e as instituições de moeda electrónica à poderem adoptar outras medidas adequadas visando o reforço do uso de meios de pagamentos digitais.■ (Redacção)"
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE.

segunda-feira, 6 de julho de 2020

MINISTRA DA SAÚDE DE ANGOLA SILVIA LUTUCUTA, VÃO SER REALIZADOS TESTES SEROLÓGICOS NOS BAIRROS , RELEMBRE-SE QUE FOI DOS PRIMEIROS MEMBROS DO GOVERNO ESTRANGEIRO A CHEGAR AO AEROPORTO DA CIDADE DA BEIRA COM AJUDA HUMANITÁRIO POS CICLONE IDAI.

"SOCIEDADE

Ministra da Saúde anuncia realização de testes de Covid-19 nos bairros com registo de casos positivos

A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, anunciou quinta-feira, em Luanda, a realização, nos próximos dias, de testes serológicos nos bairros em que se registaram casos positivos da Covid-19, para determinar o grau de anticorpos nos grupos alvos e dar uma resposta cabal, mediante testes laboratoriais.
Sílvia Lutucuta informou que o país já dispõe de mais ventiladores vindos da China para combater a pandemia
Fotografia: DR
Em declarações à Televisão Pública de Angola (TPA), Sílvia Lutucuta disse que o país já dispõe de um total de 700 ventiladores, adquiridos recentemente da China, para apoiar o combate à Covid-19. A governante informou que, do número total de equipamentos conseguidos, 255 dos quais são não invasivos, que fazem parte de um lote de 544 toneladas de material clínico diverso, encomendado para conter a pandemia, que já vitimou 18 pessoas no país.
Na ocasião, a ministra da Saúde explicou que noventa por cento dos equipamentos é constituído por 12 milhões de máscaras, igual quantidade de pares de luvas e 170 mil kits de biossegurança (fatos, luvas, máscaras, óculos e botas).
 Até agora, foram adquiridas cinco mil camas articuladas para cuidados intensivos, bombas infusoras, monitores e medicamentos como Cloroquina, Azitromicina e Interferon. Sílvia Lutucuta adiantou que, nesse momento decorre o processo de distribuição dos equipamentos às províncias.
Quanto aos ventiladores, a ministra da Saúde esclareceu que o processo pode registar um ligeiro atraso, devido à necessidade de formar o pessoal local, para o manuseio do equipamento. Recordou que, no quadro do plano de contingência traçado pelo Governo, no capítulo sanitário, o Ministério da Saúde formou, em todo o país, 15 mil técnicos em vigilância epidemiológica, e mais de mil profissionais em cuidados intensivos para técnicos não intensivistas.
“Um dos principais desafios no combate à pandemia é a manutenção de reagentes laboratoriais, tendo em conta a procura internacional, juntando a isso a aquisição de uma plataforma de alta testagem diária, para contrapor a actual média de 400 amostras”, disse.
 Acrescentou que depois das dificuldades encontradas nos contactos feitos nos mercados dos Estados Unidos da América, está confiante que a China possa vir a dar uma resposta favorável, nos próximos dias.
Clínica privada faz testes de Covid-19
A clínica Luanda Medical Center é a única unidade sanitária privada, credenciada pelo Ministério da Saúde (MINSA) para processar amostras de casos suspeitos de Covid-19, em Angola, disse, há dias, o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda. O governante, que falava durante a habitual conferência de imprensa, de actualização dos dados da Covid-19, disse que a população deve denunciar as unidades sanitárias que “não estão credenciadas para o diagnóstico do novo coronavírus”.
Segundo Franco Mufinda “o único equipamento usado em Angola, para o despiste ou confirmação de casos positivos da Covid-19, é o de biologia molecular. Mufinda apelou os cidadãos no sentido de “não acorrerem às unidades sanitárias privadas que não estão autorizadas a recolher amostras”. O laboratório da clínica Luanda Medical Center, acreditado pelo MINSA, em Junho último, pode processar 180 amostras por dia.
Outros equipamentos de biologia molecular, público, para a realização de testes, foram instalados no Instituto Nacional de Investigação em Saúde (INIS), Hospital Militar e no Instituto Nacional de Luta contra a Sida"
FONTE: JORNAL DE ANGOLA

domingo, 5 de julho de 2020

VINHOS PORTUGUESES, SUA ORIGEM, SUA HISTORIA AO LONGO DOS SÉCULOS E PELO MUNDO


VINHOS PORTUGUESES,  SUA ORIGEM, SUA HISTORIA AO LONGO DOS SÉCULOS E PELO MUNDO
“Fundado em 1143 por D. Afonso Henriques, Portugal estabilizou definitivamente as suas fronteiras durante o século seguinte, constituindo-se assim num dos países mais antigos do Mundo. Esta situação contribuiu sem dúvida para a forte identidade cultural e para a unidade interna.

A sua posição privilegiada no sudoeste da Península Ibérica, junto ao Oceano Atlântico, determinou a sua vocação lançando-o, no séc. XV, na grande epopeia dos Descobrimentos. Portugal foi o primeiro país a descobrir a Rota Atlântica para a Índia, Brasil e China, ao mesmo tempo que se enraizava nas costas da África Ocidental e Oriental, deixando um pouco por toda a parte o testemunho da sua língua e da sua cultura. A sua gente, espontânea e generosa, abriu-se às novas culturas e deu o seu contributo fundamental para o surgimento de uma nova Europa. Nomes como o do Infante D. Henrique, D. João II ou Vasco da Gama marcam o rumo da nação. Os Descobrimentos assinalam a idade de ouro lusitana com os portugueses a rasgarem os limites do mundo conhecido e a promoverem o encontro globalizante de culturas.

Portugal é um país pequeno e afectado por sucessivas más gestões politicas mas é rico na diversidade da paisagem, possui um património histórico e cultural valioso, tem uma deliciosa gastronomia, as suas praias e campos de golfe são reconhecidos em todo o mundo, as suas serras são excelentes para repousar e possui boas infra-estruturas. Para além disso, a sua paisagem está repleta de castelos medievais, de igrejas, catedrais, palácios, solares e casas senhoriais que são testemunhos de uma longa e rica história. Por toda a parte a sua gente hospitaleira sabe receber com requinte e tradição.

Portugal seduz também pelo clima. No continente o clima varia significativamente de região para região por ser influenciado pelo relevo ou pela proximidade do mar mas de uma forma geral é ameno e a presença do sol é uma constante. Na região dos Açores a precipitação é maior mas o clima é aprazível e a Madeira apresenta um clima sub-tropical.

Para além destas qualidades, os prémios relativos ao turismo e mais recentemente ao enoturismo são uma constante. Ainda no ano de 2013, Portugal conquistou 12 World Travel Awards (os "oscares” da industria do Turismo) o que prova na qualidade do nosso turismo. Portugal tem vindo a ser premiado por todo o tipo de entidades, jornais ou revistas como o The GuardianCondé Nast Traveller, Expresso, Forbes, o The New York Times e o El País; televisões como a norte-americana CNN, empresas e associações internacionais de turismo como é o caso do Best Of Wine TourismGreat Wine Capitals ou Catavinum World Wine and Spirits Competition, sites e imprensa especializada no sector.

A História do Vinho em Portugal

O passado conhece-se em termos de memória colectiva. A própria noção de identidade está ligada ao que perdura, ao que distingue e ao que se recorda. Neste contexto, convidamo-lo a fazer uma pequena viagem pela História da Vinha e do Vinho em Portugal:

Embora envolto em muitas dúvidas e mitos, pensa-se que a vinha terá sido cultivada pela primeira vez no vale do Tejo e no Sado, há cerca de 2 000 anos a.C., pelos Tartessos.

Os Fenícios, cerca do século X a.C., acabaram por se apoderar do comércio dos Tartessos, incluindo o vinho. Pensa-se que tenham trazido algumas castas de videiras que introduziram na Lusitânia.

No século VII a.C. os Gregos instalaram-se na Península Ibérica e desenvolveram a viticultura, dando uma particular atenção à arte de fazer vinho.

Crê-se que no século VI a.C. os Celtas, a quem a videira já era familiar, teriam trazido para a Península as variedades de videira que cultivavam. É também provável que tenham trazido técnicas de tanoaria.

Os Celtas e os Iberos fundiram-se num só povo - os Celtiberos -, ascendentes dos Lusitanos, povo que se afirma no século IV a.C.

A expansão guerreira de Roma na Península Ibérica conduziu aos primeiros contactos com os Lusitanos, cerca de 194 a.C. Seguiram longos anos de lutas de guerrilha, só vencidas pelos Romanos dois séculos depois, com a conquista de toda a Península em 15 a.C., conseguindo subjugar os Lusitanos.

A romanização na Península contribuiu para a modernização da cultura da vinha, com a introdução de novas variedades e com o aperfeiçoamento de certas técnicas de cultivo, designadamente a poda.

Nesta época, a cultura da vinha teve um desenvolvimento considerável, dada a necessidade de se enviar frequentemente vinho para Roma, onde o consumo aumentava e a produção própria não satisfazia a procura.

Seguiram-se as invasões bárbaras e a decadência do Império Romano. A Lusitânia foi disputada aos Romanos por Suevos e Visigodos que acabaram por vencê-los em 585 d.C, tendo-se dado, com o decorrer do tempo, a fusão de raças e de culturas, passando-se do paganismo à adopção do Cristianismo.

É nesta época (séculos VI e VII d.C.), que se dá a grande expansão do Cristianismo (apesar de já ser conhecido na Península Ibérica desde o séc. II). O vinho torna-se então indispensável para o acto sagrado da comunhão. Os documentos canónicos da época evidenciam a "obrigatoriedade" da utilização do vinho genuíno da videira na celebração da missa (produto designado por "não corrompido", ao qual tivesse sido apenas adicionada uma pequena porção de água).

No início do Século VIII outras vagas de invasores se seguiram, desta vez vindas do Sul. Com a influência árabe começava um novo período para a vitivinicultura Ibérica. O Corão proibia o consumo de bebidas fermentadas, onde o vinho se inclui. No entanto, mostraram-se tolerantes para com os cristãos, aplicando-se aos agricultores uma política baseada na benevolência e protecção, desde que estes se entregassem aos trabalhos rurais, para deles tirar o melhor proveito.

Entre os séculos XII e XIII, o vinho constituiu o principal produto exportado. Documentos existentes confirmam a importância da vinha e do vinho no território português, mesmo antes do nascimento da nacionalidade.

Entretanto, já se tinha iniciado a Reconquista Cristã. As lutas dão-se por todo o território e as constantes acções de guerra iam destruindo as culturas, incluindo a vinha.

A fundação de Portugal, em 1143 por D. Afonso Henriques, e a conquista da totalidade do território português aos mouros, em 1249, permitiu que se instalassem Ordens religiosas, militares e monásticas, com destaque para os Templários, Hospitalários, Santiago da Espada e Cister, que povoaram e arrotearam extensas regiões, tornando-se activos centros de colonização agrícola, alargando-se, deste modo, as áreas de cultivo da vinha. O vinho passou, então, a fazer parte da dieta do homem medieval começando a ter algum significado nos rendimentos dos senhores feudais. No entanto, muita da sua importância provinha também do seu papel nas cerimónias religiosas.

Os vinhos de Portugal começaram a ser conhecidos até no norte da Europa.

Foi na segunda metade do século XIV, que a produção de vinho começou a ter um grande desenvolvimento, renovando-se e incrementando-se a sua exportação.

Nos séculos. XV e XVI, no período da expansão portuguesa, as naus e galeões que partiram em direcção à Índia, um dos produtos que transportavam era o vinho. No período áureo que se seguiu aos Descobrimentos, os vinhos portugueses constituíam lastro nas naus e caravelas que comercializavam os produtos trazidos do Brasil e do Oriente.

Será talvez oportuno referirem-se aqui os vinhos de "Roda" ou de "Torna Viagem". Se pensarmos quanto tempo demoravam as viagens. ..Eram, na generalidade, cerca de seis longos meses em que os vinhos se mantinham nas barricas, espalhadas pelos porões das galés, sacudidas pelo balancear das ondas, ou expostos ao sol, ou por vezes até submersas na água dos do fundo dos navio... E o vinho melhorava!

Tal envelhecimento suave era proporcionado pelo calor dos porões ao passarem, pelo menos duas vezes, o Equador e pela permanência do vinho nos tonéis, tornando-os ímpares, preciosos e, como tal, vendidos a preços verdadeiramente fabulosos. O vinho de "roda" ou de "torna viagem" veio assim facultar o conhecimento empírico de um certo tipo de envelhecimento, cujas técnicas científicas se viriam a desenvolver posteriormente.

Em meados do século XVI, Lisboa era o maior centro de consumo e distribuição de vinho do império - a expansão marítima portuguesa levava este produto aos quatro cantos do mundo.

Chegados ao século XVII, o conjunto de publicações de várias obras de cariz geográfico e relatos de viagens, quer de autores portugueses, quer de autores estrangeiros, permite-nos entender o percurso histórico das zonas vitivinícolas portuguesas, o prestígio dos seus vinhos e a importância do consumo e do volume de exportações.

Em 1703, Portugal e a Inglaterra assinaram o Tratado de Methwen, onde as trocas comerciais entre os dois países foram regulamentadas. Ficou estabelecido um regime especial para a entrada de vinhos portugueses em Inglaterra. A exportação de vinho conheceu então um novo incremento.

No século XVIII, a vitivinicultura, tal como outros aspectos da vida nacional, sofreu a influência da forte personalidade do Marquês de Pombal. Assim, uma grande região beneficiou de uma série de medidas proteccionistas - a região do Alto Douro e o afamado Vinho do Porto. Em consequência da fama que este vinho tinha adquirido, verificou-se um aumento da sua procura por parte de outros países da Europa, para além da Inglaterra, importador tradicional. As altas cotações que o Vinho do Porto atingiu fizeram com que os produtores se preocupassem mais com a quantidade do que com a qualidade dos vinhos exportados, o que esteve na origem de uma grave crise. Para pôr fim a esta crise, o Marquês de Pombal criou em 10 de Setembro de 1756, a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, para disciplinar a produção e o comércio dos vinhos da região, prevendo ainda a necessidade de se fazer, urgentemente, a demarcação da região, o que veio a concretizar-se. Assim, segundo alguns investigadores, foi esta a primeira região demarcada oficialmente no mundo vitivinícola.

O século XIX foi um período negro para a vitivinicultura. A praga da filoxera, que apareceu inicialmente na região do Douro em 1865, rapidamente se espalhou por todo o país, devastando a maior parte das regiões vinícolas.

Em 1907/1908, iniciou-se o processo de regulamentação oficial de várias outras denominações de origem portuguesas. Para além da região produtora de Vinho do Porto e dos vinhos de mesa Douro, demarcavam-se as regiões de produção de alguns vinhos, já então famosos, como são o caso dos vinhos da Madeira, Moscatel de Setúbal, Carcavelos, Dão, Colares e Vinho Verde.

Foi criada a Federação dos Vinicultores do Centro e Sul de Portugal (1933), organismo corporativo dotado de grandes meios e cuja intervenção se marcava, fundamentalmente, na área da regularização do mercado. À Federação, seguiu-se a Junta Nacional do Vinho (JNV) (1937), e à Junta seguiu-se o Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) (1986), organismo adaptado às estruturas impostas pela nova política de mercado decorrente da adesão de Portugal à Comunidade Europeia.

Surge, então, uma nova perspectiva na economia portuguesa e, consequentemente, na viticultura. O conceito de Denominação de Origem foi harmonizado com a legislação comunitária, e foi criada a classificação de "Vinho Regional", para os vinhos de mesa com indicação geográfica, reforçando-se a política de qualidade dos vinhos portugueses.

Com objectivos de gestão das Denominações de Origem e dos Vinhos Regionais, de aplicação, vigilância e cumprimento da respectiva regulamentação, foram constituídas Comissões Vitivinícolas Regionais, que têm um papel fundamental na preservação da qualidade e do prestígio dos vinhos portugueses.
Actualmente estão reconhecidas e protegidas, na totalidade do território português 33 Denominações de Origem e 8 Indicações Geográficas.”
FONTE: WINE TOURISME IN PORTUGAL
Titulo: da minha autoria.

quarta-feira, 1 de julho de 2020

DIA INTERNACIONAL SEM SACO PLASTICO

A TVM TELEVISÃO DE MOÇAMBIQUE EM PROGRAMA ESPECIAL NO SEU SERVIÇO NOTICIOSO ENTREVISTA VARIOS ESPECIALISTAS SOBRE OS ASPECTOS NOCIVOS AO AMBIENTE QUE FAZ O SACO PLÁSTICO.

terça-feira, 30 de junho de 2020

TANIA TOMÉ SUCCENERGY - ACTIVA A TUA ENERGIA E DESCOBRE O SUCESSO QUE HÁ EM TI

O livro “Succenergy- ativa a tua energia e descobre o sucesso que há em
ti” da autora multifacetada de língua portuguesa e moçambicana  Tânia
Tomé está entre os 15 livros de desenvolvimento pessoal para ler em 2020
pela lista brasileira do “ Do Quantico aos Cósmico”. De salientar que
ela é a unica africana da lista, e da mesma lista constam grandes
autores mundiais como CharlesDuhigg, Lourdespossatto, LairRibeiro,
Brenebrown, Will Bowen, Briantracy,kerrypatterson, Osho, Stanislavgrof,
Caiocarneiro entre outros.

Este livro  um dos poucos palop disponíveis na Amazon  e na sua segunda
edição,  foi lançado no EUA numa tour da autora entre Atlanta, New York
e California. Este livro foi também lançado no Brasil onde esgotou para
mais de  15.000 pessoas no Festival das Esmeraldas onde Tânia Tomé foi
Keynote Speaker e coach a convite da Prefeitura de Campos Verdes.

https://www.camposverdes.go.gov.br/livro-da-economista-de-cabo-verde-tania-tome-sera-lancado-durante-a-feira-internacional-das-esmeraldas/

https://www.taniatome.com

www.amazon.com/author/taniatome

www.instagram.com/taniatomeofficial

"Succenergy" é um modelo integrado de Coaching para Liderança e
Motivacional, um método de apoio no processo de desenvolvimento pessoal
e das organizações. Apoiado na associação do conhecimento cognitivo ao
equilíbrio emocional, suas ferramentas vão ajudar colaboradores de
organizações, empreendedores, empresários e indivíduos a concretizarem
seus propósitos. O método, desenvolvido por Tânia Tomé, é usado em
diversas capacitações, coachings, workshops e palestras da sua empresa,
Ecokaya, dadas à empresas e organizações públicas e privadas em vários
países, como Uganda, São Tomé e Príncipe, Cabo-verde, Brasil, Portugal,
Ruanda, EUA, Swazilândia e Moçambique, entre outros.

Succenergy de Tânia Tomé no Mundo:

https://www.youtube.com/watch?v=HeGWF3SZX58&t

https://www.youtube.com/watch?v=TB-DwlopQOQ



Entre os diversos testemunhos mundiais tanto do treinamento como do
livro aqui salientamos alguns:

"Um modelo de liderança inovador, que está cativando colaboradores,
empreendedores, líderes e jovens a nível mundial. Precisamos de mais
"Tânias Tomés" no mundo".

Njoya Tikum, Director Regional de Voluntariado das Nações Unidas



"Este livro é obrigatório para gestores municipais, prefeitos e
empreendedores para fazer face aos desáfios diários".

Haroldo Naves, Presidente da Federação Goiana de Municipios e Prefeito
de Campos Verdes, Brasil

(Ps: Veja abaixo os outros testemunhos completos do livro, assim como os
videos)

Tânia Tomé que é  consagrada uma das 100 pessoas mais influentes do
mundo, afrodescendentes com menos de 40 anos pelo Mipad New York, é
vencedora de vários prémios nacionais e internacionais. É multifacetada
economista, autora, empreendedora, personalidade televisiva, poeta,
coach internacional e palestrante motivacional e Ecokaya CEO e
Presidente da ONG Educação para o Desenvolvimento. A paixão da lider é
empoderar pessoas, empreendedores e lideres para que se crie um mundo
maior e melhor para todos.

TÂNIA TOMÉ é Licenciada em Economia e pós-graduada em Controlo de Gestão
pela Universidade Católica Portuguesa, Certificada em Empreendedorismo e
Projetos de Investimento e Fiscalidade pela Certform em Portugal,
Certificada em Avaliação Financeira de Projetos de Mineração pela IETEC
- Brasil, e Certificada em Negócios e Empreendedorismo pela Universidade
Notre Dame. Prémio Académico pela Fundação Portugal-África, Presidida
pelo Presidente Mário Soares, e Prémio de Mérito da Presidência de
Moçambique. Foi bancária por mais de 13 anos e lidera o Grupo Ecokaya há
mais de 7 anos. É mentora do Programa de Empreendedorismo da Fundação
Tony Elumelu, Tedx Palestrante, Presidente da Cimeira de Mulheres
Lideres de Moçambique 2018, embaixadora de diversas iniciativas e
Presidente da ONG Educação Para o Desenvolvimento.Jovem Africana Líder
pelo Barack Obama Iniciative (YALI), é uma das 100 personalidades
africanas mais influentes do mundo, segundo o Mipad New York 2018.



Testmunhos e Endorsements:

“Ecokaya CEO - Tania Tomé uma excelente profissional  financeira que no
seu jeito de comunicadora nata e cativante nos trás neste livro do
succenergy dicas de como usarmos nossas energias para o sucesso. Tomé é
nossa embaixadora para o mundo e não tenho dúvidas sobre o sucesso
mundial desse livro”.

   Adriano Maleiane - Ministro das Finanças de Moçambique.



“Ter imaginação, agarrar oportunidades, acreditar e fazer florescer é
coisa de mente promissora, é coisa de pessoa empreendedora, é coisa de
Tânia Tomé.  Conhecer a Tânia Tomé e poder tê-la em São Tomé e Príncipe
prestigiando o evento do Ministério que tenho a honra de tutelar, foi de
facto “Succenergy”. Para a Tânia Tomé, empreender é transformar vidas,
é  transformar o mundo. A sua energia, crença e motivação, associado a
experiência na primeira pessoa é inspiradora e faz acreditar que sim, é
possível, é possível o propósito. Num ambiente cada vez mais
competitivo, continue inspirando.  A África e o mundo precisam de
pessoas assim, para que alcancem em plenitude os seus propósitos”.

Vinício Pina - Ministro da Juventude, Desporto e Empreendedorismo de São
Tomé e Príncipe.

“Tânia Tomé, em ‘Succenergy - Ative sua energia e descubra o sucesso
dentro de você’ está fantástica! Leitura obrigatória para empreendedores
e gestores municipais, que se deparam diariamente com desafios. Ela nos
ensina, a manusear  com  maestria seu instrumento de expressão, como ser
bem sucedido em busca dos nossos propósitos. Succenergy deixa claro
porque ela foi escolhida como uma dos 100 pessoas mais influentes do
mundo!”

Haroldo Naves - Presidente da Federação Goiana de Municipios & Prefeito
de Campos Verdes, Brasil.



“Tânia Tomé é uma jovem dinâmica e  com um espirito contagiante, Sempre
com energias positivas e crenças muito fortes. È uma verdadeira
referência  para juventude, no que tange a autoconfiança, criatividade,
dedicação ao trabalho e inovação. Hoje ela e sua empresa são uma voz
autorizada, tanto dentro como além fronteiras, quando se fala do
contributo para o empoderamento da juventude. Seu livro succenergy é
mais uma forma de emponderar pessoas, empreendedores e lideres”.

Alberto Nkutumula –Ex-Ministro da Juventude e Desportos de Moçambique

“Excelente trabalho de uma jovem mulher africana com dimensão mundial”.

António Santos - Jornalista e Radialista na RDP - África



“Tânia Tomé, Ecokaya CEO e Executive Coach foi nossa expert para a
capacitação em liderança na PNUD ÁFRICA em Uganda. A mesma desenvolveu
um modelo de liderança inovador que está cativando colaboradores,
empreendedores, lideres e jovens a nivel Mundial. Precisamos de mais
Tânia Tomés no mundo”.

Njoya Tikum –  Director Regional de Voluntariado das Nações Unidas

As energias despendidas em assuntos triviais, irrelevantes e sem
compensação pessoal, ultrapassam muitas vezes os esforços despendidos
para alcançar um objetivo com retorno inequívoco. Talvez por isso, a
energia, ou seja, o esforço despendido, associado com a motivação para
fazê-lo, esteja totalmente interligada ao sucesso. Da melhor forma,
Tânia Tomé apresenta o conceito “Succenergy”: uma forma simples de dizer
para eliminar do quotidiano aquilo que é tóxico, e de encontrar
motivação nos esforços desenvolvidos para a conquista de um objetivo.
Mais do que um conceito, é uma forma de estar na vida, perante problemas
e soluções.

 David Dias - Apresentador de televisão na RTP - Televisão de Portugal

“Tânia Tomé me impactou sobremaneira e ganhou minha alma. Por sua visão.
Pelo seu trabalho. Sua competência. Sua postura. Por sua voz. Por seu
coaching em liderança  e por todas as qualidades que fazem dela uma
grande líder: planejamento estratégico, conhecimento, relacionamento,
simpatia e sua capacidade de inspirar pessoas .E por tudo isso, estou
aqui fazendo este registro poderoso da grande mulher que conheci, Tânia
Tomé.”

Ludymilla Damatta - Presidente da Rede Goiana de Mulheres Empreendedoras



“Tânia Tomé é uma jovem do mundo, uma jovem de mundos.  Economista,
empreendedora para que a juventude chegue mais longe. Para que nossos
sonhos sejam concretizados em empreendimentos. É um prazer tela mais uma
vez em Caboverde, ela que veio visitar pela primeira vez o nosso país no
âmbito do primeiro Tedx Praia, onde partilhou o seu conceito Succenergy.
E ela incentivou centenas de jovens cabo-verdianos a querer fazer, a 
pretender chegar mais longe. E nos precisamos de pessoas que nos
motivem. Precisamos de pessoas que sonham, que fazem e acontecem. Para
benefício do nosso país, para benefício do nosso continente e para
benefício do mundo”.

Pedro Lopes - Secretário de Estado Para Inovação em Cabo Verde.

 “Tania Tomé é uma personalidade incrível e notável, que é bem conhecida
por sua paixão em mobilizar e contribuir para surgimento de um grande
número de empresários e empreendedores.. O propósito de  vida de Tania
Tomé é completamente necessário e um motor de alavancagem especialmente
agora em que África está em busca de líderes visionários. Tania é uma
influenciadora  e uma líder com uma mente muito rica e eu sei que o que
vier dessa grande mulher certamente será uma bênção para o nosso mundo”.

Linus Okorie - Presidente da GOTNI - Academia de Liderança na Nigeria

domingo, 28 de junho de 2020

CABRITO DE TETE, MOÇAMBIQUE RECONHECIDO OFICIALMENTE COM MARCA GEOGRÁFICA

CABRITO DE TETE  RECONHECIDO OFICIALMENTE COM MARCA GEOGRÁFICA, ANUNCIOU HOJE A TVM TELEVEVISÃO DE MOÇAMBIQUE.
Há anos que era uma pretensão dos criadores de CABRITO DE TETE, finalmente viram reconhecido o seu esforço, PARABÉNS a todos, PARABENS TETE, PARABENS MOÇAMBIQUE!

ESTADO DE EMERGÊNCIA PRORROGADO POR MAIS 30 DIAS PELO PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE FILIPE JACINTO NYUSI

NUMA INTERVENÇÃO NA TVM TELEVISÃO DE MOÇAMBIQUE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICADE MOÇAMBIQUE FILIPE JAACINTO NYUSI  ACABA DE ANUNCIAR A PRORROGAÇÃO DO ESTADO DE EMERGENCIA POR MAIS 30 DIAS.HÀ ALGUMAS NOVAS RECOMENDAÇÕES. TEREMOS DE VER OS DETALHES NO RESPECTIVO DIPLOMA LEGAL.

sábado, 27 de junho de 2020

SÃO TOMÉ E PRINCIPE A PARTIR DE 1 DE JULHO 2020 ABRE A VOOS INTERNACIONAIS COMERCIAIS E TURISMO, ANUNCIOU HOJE A RTP ÁFRICA

SÃO TOMÉ E PRINCIPE ABRE A PARTIR DE 1 DE JULHO DE 2020 O SEU TERRITÓRIO A VOOS INTERNACIONAIS COMERCIAIS E DE TURISMO.
PARALELAMENTE ANUNCIOU A MESMA FONTE, CRIOU UM LABORATORIA COM CONDIçÔES HUMANAS PROFISSIONAIS E TECNOLOGIA EM EQUIPAMENTO QUE PERMITE O CONTROLO E DESPISTAGEM DO CORONA VIRUS COVID 19, DANDO MAIOR SEGURANÇA A QUEM DEMANDAR AQUELE PAÍS.
FONTE: RTP ÁFRICA

SÃO TOMÉ E PRINCIPE VAI TER UMA FÁBRICA DE CHOCOLATE ANUNCIOU HOJE A RTP ÁFRICA.

RTP ÁFRICA ANUNCIOU HOJE QUE SÃO TOMÉ E PRINCIPE VAI TER UMA FÁBRICA DE CHOCOLATE.
"

NOTÍCIAS

Produção de chocolate estimula cultivo de cacau em São Tomé e Príncipe

Investimento estrangeiro no cultivo e transformação do cacau ajudou a criar, no último ano, 250 postos de trabalho no país. Setor pretende obter uma certificação biológica para impulsionar as exportações."
FONTE: DW.

sexta-feira, 26 de junho de 2020

ISCTAC - INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE COM SEDE NA BEIRA, DISTIGUIDO PELAS ACÇÕES DESENVOLVIDAS PARA A PREVENÇÃO DA PANDEMIA COVID 19, COM ATRIBUIÇÃO DE DIPLOMA DE MÉRITO

ISCTAC distinguido pelas acções desenvolvidas para a prevenção da pandemia da covid-19 Beira (O Autarca) – Em reconhecimento pelo contributo prestado em prol das acções de prevenção da pandemida da covid-19 no país, o Instituto Superior de Ciências e Tecnologia Alberto Chipande Ministério da Ciência, Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional (MCTESTP-) distingiu o Instituto Superior de Ciências e Tecnologia Alberto Chipande, com sede na cidade da Beira, com a atribuição de Diploma de Mérito. Segundo sustentou o Ministro da Ciência, Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional, o Prof. Dr. Gabriel Salimo, o reconhecimento resulta da iniciativa desenvolvida pelo ISCTAC, nomeadamente relativa a produção de álcool em gel com vista reforçar as medidas de prevenção da covid-19 no país. Refira-se que o Instituto Superior de Ciências e Tecnologia Alberto Chipande foi pioneira na sua área a desenvolver a iniciativa de produzir internamente o álcool-gel observando os padrões recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A OMS recomenda o uso do álcool-gel para a higiene das mãos, considerando o produto bastante eficaz para a prevenção do novo coronavírus. Entretanto, devido os custos de aquisição, sobretudo por parte de famílias de baixa renda, não tem sido fácil, daí que o ISCTAC tomou a iniciativa da sua produção para distribuição gratuíta a favor de pessoas desfavorecidas. “O ISCTAC demostrou que com o envolvimento de pesquisadores e investigadores locais pode-se contribuir em grande medida na mitigação da pandemia, facto que nos levou a reconhecer o contributo com a atribuição de um Certificado de Mérito” - referiu Gabriel Salimo. Distinção merecida Por seu turno, o Vice-Reitor do Instituto Superior de Ciências e Tecnologia Alberto Chipande, o Prof. Dr. Júlio Chibemo, congratulou o reconhecimento prestado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional à instituição que representa, facto que incentiva o ISCTAC a prosseguir com mais iniciativas do género no quadro da sua missão de prover o conhecimento, a investigação científica e oferecer benefícios sociais às comunidades. Chibemo atribuiu a distinção ao mérito da equipe de investigadores da sua instituição que concebeu e desenvolveu a iniciativa de produzir o álcool-gel para suprir o défice existente facto de ser instituição do ensino superior pioneira no país que operar uma cadeia de Rádio e TV Digital; que além de transmitir conteúdos científicas, aborda programas educacionais sobretudo orientados a promoção de boas práticas de saúde, contribuindo principalmente nesta época difícil, para a prevenção de doenças, incluino a pandemia da covid-19, e para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos.■ (Redacção) no mercado e, sobretudo, para ajudar a disseminar o uso do produto pelas camadas desfavorecidas. “É mais uma acção de responsabilidade social da nossa instituição, e considerando a gravidade da pandemia da covid-19 de forma alguma o ISCTAC podia ficar alheio” – assinalou. O Instituto Superior de Ciências e Tecnolo-gia Alberto Chipande – ISCTAC destaca-se, igualmente, pelo"
FONTE: JORNAL O AUTARCA DE MOÇAMBIQUE.