quarta-feira, 6 de agosto de 2014

BCI BANCO COMERCIAL DE INVESTIMENTOS ABRE EM RIBAUÉ, PROVINCIA DE NAMPULA, GRANDE AJUDA AOS OPERADORES ECONÓMICOS E ENTIDADES PUBLICAS DO DISTRITO

As transacções financeiras das instituições públicas e de empresas privadas que operam nos ramos florestal, tabaqueiro, algodoeiro no distrito de Ribáuè, no interior da província de Nampula, passarão a partir do mês em curso, a serem feitas localmente, e não na cidade capital provincial (que dista a 170 quilómetros), mercê da instalação de uma agência do Banco Comercial de Investimentos (BCI), na vila sede distrital.Segundo o director das actividades económicas em Ribáuè, Ernesto Lopes, a instalação de uma agência bancária em Ribáuè (uma construção de raiz), constitui um alívio para o governo local, pois que a população daquela unidade territorial, estava de um tempo para cá a exigir, para além de melhores vias de acesso, a instalação de uma instituição de género destinada a captação das suas poupanças.“Foi com enorme satisfação que tomamos conhecimento de que o BCI tinha aceite a solicitação do governo de se instalar em Ribáuè ”-disse Lopes.Para além de beneficiar as populações, na captação das suas poupanças, o banco irá, igualmente, garantir a circulação segura do dinheiro das empresas do ramo florestal (caso da Green Resources que está envolvida no plantio industrial de eucaliptos para produção de madeira e papel), do tabaco (Sonil) e algodoeiro (Olam).Aquelas empresas, pela sua especificidade, emprega muita mão-de-obra sazonal, cujos salários não podem ser domiciliados por um banco, o que fazia com que os valores referente àquelas despesas, fossem transportados em sacos de um ponto para outro com todos os riscos que tal acarretava.Para além do distrito de Ribáuè, o banco irá, igualmente, beneficiar as regiões circunvizinhas de Mecubúri e Lalaua, tidas como potenciais produtoras de algodão e tabaco.Lalaua, que dista a 80 quilómetros de Ribáuè e 250 da cidade capital, o problema de absentismo laboral, por parte dos funcionários públicos que auferem via banco, tinha atingido níveis alarmantes, pois que muitos “ abandonavam”, por longos dias, os postos de trabalho, para se deslocarem a cidade de Nampula, onde iam tratar de assuntos ligados a recepção dos seus salários, segundo chegaram a denunciar à governadora da província, Cidália Chaúque Oliveira, aquando da sua visita, alguns líderes comunitários."
FONTE: JORNAL NOTICIAS DE MOÇAMBIQUE.

Sem comentários:

Publicar um comentário