quinta-feira, 11 de novembro de 2010

MOÇAMBIQUE - CAPULANA CONTRA A MALÁRIA

"Capulana contra malaria: unir a beleza moçambicana e o combate contra um inimigo permanente da saúde pública . 10/11/2010. Uma capulana foi lançada na terça-feira (9) cidade de Maputo, tendo como objectivo transmitir informação relativa à prevenção da malária no seio dos principais grupos de risco. Cinco mensagens estão patentes na capulana, nomeadamente o apelo para que os cidadãos abram as portas dos seus domicílios para que se faça a pulverização; a necessidade de se dirigirem às unidades sanitárias para o diagnóstico e tratamento; fazer o saneamento do meio, eliminando os focos de multiplicação dos mosquitos “anopheles”; dormir debaixo de uma rede impregnada com insecticida de longa duração e, no caso de mulheres grávidas, dirigirem-se aos estabelecimentos de saúde para fazer o tratamento intermitente preventivo.Nesta perspectiva, um total de 4.200 capulanas está disponível para distribuição naquilo que consubstancia uma iniciativa do Movimento Fazer Recuar a Malária (FRM), em parceria com o Ministério da Saúde (MISAU) e Instituto Nacional de Segurança Social (INSS). O dia 9 de novembro foi escolhido para a divulgação do projecto, tendo em conta que marcou o arranque da semana de luta contra a malária que anualmente se assinala na Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC). Intervindo no acto, Dom Dinis Sengulane, presidente do Movimento Fazer Recuar a Malária afirmou que a capulana faz parte da cultura moçambicana, sendo que a expectativa é de que a mensagem que ela contém atinja as mais altas esferas da sociedade e as zonas mais recônditas do país. “Por favor, usem a criatividade que é característica do moçambicano no uso da capulana para divulgar estas mensagens vitais para que a malária deixe de ser a experiência presente dos moçambicanos e passe para o passado”, apelou Sengulane. Com a capulana, tanto as mulheres como os homens podem mandar confeccionar roupa dos mais variados modelos. Pode ser usada, de igual modo, como cortina e pano de mesa. Para o futuro, o Movimento Fazer Recuar a Malária vai mandar produzir mais capulanas sob a orientação da Organização da Mulher Moçambicana. Além de apresentar a capulana, o Movimento Fazer Recuar a Malária promoveu ontem um debate sobre os malefícios da patologia e uma exibição de alguns números de teatro e música local.  Fonte: Notícias" Fonte Rádio Moçambique

Sem comentários:

Publicar um comentário