sábado, 12 de julho de 2014

ÁGUA POTÁVEL EM MOÇAMBIQUE NOVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO BENEFICIA A POPULAÇÃO DE CAIA, SOFALA.

POUCO mais de 30 mil habitantes da vila de Caia, distrito do mesmo nome, em Sofala, beneficiam de um novo sistema de abastecimento de água resultante da reabilitação e ampliação do que funcionava até 2009.
O empreendimento, oficialmente inaugurado ontem pelo Presidente da República, Armando Guebuza, no âmbito da presidência aberta e inclusiva que efectua a esta parcela do país, custou cerca de 153 milhões de meticais, num financiamento conjunto dos governos de Moçambique e do Japão.
Com uma capacidade instalada para fornecer o precioso líquido a 45 mil pessoas, o sistema de abastecimento de água da vila de Caia fornece diariamente 92 metros cúbicos de água a nove mil pessoas.
Este projecto constitui um alargamento de acesso dos residentes desta vila à água potável, uma vez que o antigo sistema possuía 108 ligações sem contadores e que recebiam água apenas durante uma hora e meia por dia.
O novo sistema comporta 340 ligações possuidoras de contadores, que recebem água de 12 fontanários de dois bicos, num período de 10 horas diárias.
Dados colhidos no local indicam que o projecto tem um horizonte temporal de funcionamento de 20 anos, contados a partir de Março do ano passado, altura em que entrou em funcionamento.
A reabilitação e ampliação do sistema de abastecimento de água à vila de Caia, que dista cerca de 500 quilómetros da cidade da Beira, foram feitas no âmbito da responsabilidade social da construção da Ponte Armando Guebuza.
Erguida sobre o rio Zambeze para ligar os distritos de Caia, em Sofala, e Mopeia, na Zambézia, a Ponte Armando Guebuza foi inaugurada pelo Chefe do Estado a 1 de Agosto de 2009.
Aliás, este empreendimento veio criar uma nova dinâmica social e económica na vila de Caia, com a abertura de novos estabelecimentos comerciais, agências bancárias e outro tipo de infra-estruturas e serviços que contribuem não só para o aumento populacional, como geraram emprego para a maioria dos residentes e “imigrantes”."
FONTE: JORNAL NOTICIAS DE MOÇAMBIQUE.

Sem comentários:

Publicar um comentário