quarta-feira, 20 de março de 2013

ÁLVARO SANTOS PEREIRA MINISTRO DA ECONIMA DE PORTUGAL CONVIDA MOÇAMBIQUE A INVESTIR EM PORTUGAL

"Moçambique desafiado a investir em Portugal
Alvaro-santos-pereira-economia-portugalMoçambique, com um crescimento médio económico anual de 7 a 8 por cento, foi convidado a investir em Portugal, numa altura em que aquele país europeu atravessa uma grave crise económica e social.O convite foi formulado esta terça-feira, em Lisboa, a capital portuguesa, pelo ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, que defendeu igualmente que Portugal precisa de mais investimento angolano, brasileiro ou de outros países da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), que se traduzam em "parcerias estratégicas" e crescimento económico. Angola e Brasil tem uma forte presença no mercado português."Gostaria de ver cada vez mais investimento angolano em Portugal, investimento moçambicano, brasileiro e de todos os outros países da CPLP", disse Álvaro Santos Pereira na apresentação do projeto"Lusofonia Económica – Plataformas CPLP".Portugal foi intervencionado em 2011 pela "troika" do Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia que definiu um rigoroso programa de austeridade para o país tentar equilibrar as suas contas públicas. Mas depois da 7/a avaliação da "troika", ficou evidente que o país está numa situação "dramática".Esta terça-feira, num auténtico "grito de socorro", o ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira sublinhou:"Quando começarmos a ter mais investimento desses países (Angola, Moçambique, Brasil ou de outros países da CPLP) e começarmos a ver o desenvolvimento de parcerias e empresas conjuntas dos diversos países, só aí vamos realizar a CPLP de forma integral".O projecto "Lusofonia Económica – Plataformas CPLP" que envolve a AICEP (Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal), Associação Industrial Portuguesa e Elo – Associação Económica para o Desenvolvimento e Cooperação, é para Santos Pereira "da maior importância" por promover "parceria e reciprocidade" na atividade empresarial entre os oito.Vários participantes na conferência sublinharam a possibilidade de parcerias entre empresas portuguesas e dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) para investimentos nas comunidades económicas que estes integram, como a da África Austral (Angola, Moçambique), CEDEAO (Guiné-Bissau) ou Mercosul (Brasil), segundo a imprensa lisboeta.O "grande potencial económico" do espaço lusófono só pode ser realizado "se os empresários estiverem dispostos a abrir as portas a empresas de outros países", tal como Portugal está disposto a abrir as portas ao investimento da CPLP, disse o ministro."Grande parte do crescimento económico de Portugal terá de vir da chamada lusofonia económica", adiantou."Quer estejamos a falar na área das infraestruturas, da energia, geológica, sindical, parcerias também entre empresas e redes de negócios estamos a falar de dar o músculo económico que a CPLP não tem tido e gostaríamos de impulsionar", adiantou.Em particular, disse, faltam "planos conjuntos de internacionalização" e "plataformas concretas com objetivos e planos de acção para os próximos anos", além de "redes de negócios fortes no âmbito da lusofonia e CPLP".Angola, a par da China, foram os mercados para onde mais cresceram as exportações portuguesas no ano passado, permitindo compensar quebras em mercados tradicionais como os da União Europeia, onde as economias estão em situação de estagnação ou recessão, na sua maioria.Santos Pereira lembrou que as exportações para os países CPLP já foram ainda mais importantes no passado, na ordem de 25 por cento.
"Acima de tudo, existe imensa margem para aumentarmos parcerias económicas, redes de negócios, negócios conjuntos entre diversos países numa parceria de reciprocidade e parceria estratégica entre os nossos países", adiantou.Sublinhou que as economias lusófonas "têm complementaridades", e hoje "estão criadas as condições para o aprofundamento e institucionalização da dimensão económica da CPLP, 15 anos depois da sua criação".
Isto depois da 1ª reunião de ministros do comércio CPLP, em Luanda, Angola, lançamento de reuniões ministeriais anuais e contactos permanentes, estando para "breve" a "aprovação do plano de acção de cooperação económica e empresarial".José Eduardo Carvalho, presidente da AIP, é citado como tendo defendido que, para a "sobrevivência" do sector dos bens transacionáveis portugueses, os mercados lusófonos são "fulcrais"." FONTE RÁDIO MOÇAMBIQUE.

Sem comentários:

Publicar um comentário